Mansarda para artistas vai ter 80 quartos, metade deles para residência permanente

Oitenta quartos, metade dos quais para residência permanente, e um auditório com 100 lugares constam das valências da residência Mansarda a construir num terreno cedido pela Câmara de Lisboa, em local ainda por definir, foi hoje anunciado.

Trata-se de um espaço idealizado pela diretora de 'casting' Patrícia Vasconcelos e mais 19 fundadores, para residência permanente ou temporária de pessoas que tenham estado ligadas às áreas da língua, arte e cultura portuguesas, sobretudo às artes performativas, de modo a permitir a interação de gerações, a promoção de criação artística e a partilha com outras instituições, segundo os fundadores desta instituição privada de solidariedade social (IPSS).

Criada em 2014, a Mansarda, cujo projeto foi apresentado hoje, em Lisboa, está agora, cinco anos depois, a dar os primeiros passos para materializar a residência, desenhada pelo arquiteto Carrilho da Graça, que também é sócio da associação.

A Mansarda irá integrar um total de 80 quartos, estando 40 reservados para residência permanente e, os restantes, para residência temporária, havendo quartos simples e duplos, foi anunciado hoje, em Lisboa.

O edifício terá também espaço para uma área de atividades, no qual se destaca um auditório de 100 lugares, que terá programação cultural regular, e cujas receitas irão reverter para a gestão da IPSS.

Está também prevista uma sala de formação, uma sala de reabilitação e uma horta biológica. A Mansarda irá reservar ainda um espaço onde existirá um restaurante, de 40 lugares, aberto ao público, com o intuito de promover uma aproximação da comunidade com as pessoas que habitam a residência.

Pensada para "quando a vida nos troca as voltas", a Mansarda quer prestar um serviço à comunidade artística que vai além do acolhimento.

Patrícia Vasconcelos pretende que seja "um projeto ativo, capaz de mobilizar diferentes expressões artísticas, potenciando o encontro e a interação entre gerações, e que esteja de portas abertas a outras instituições e visões que contribuam positivamente para a dinamização constante do projeto".

"A residência será um espaço de criação artística e valorização do talento", afirmou.

Arrancando numa base 'pro bono', a associação está a recolher donativos, através do IBAN PT50 0036 0000 9910 5910 4751 0, e a angariar sócios que podem fazer a inscrição através do site da associação www.mansarda.pt.

A IPSS também já faz parte das instituições que podem beneficiar da consignação de 0,5% do IRS de 2018 dos contribuintes e empresas.

O ator Miguel Guilherme, o coreógrafo Jorge Salavisa, o fadista Camané, o ex-ministro da Cultura José António Pinto Ribeiro, a jornalista Anabela Mota Ribeiro e o escritor Rui Cardoso Martins contam-se entre os sócios fundadores da associação.

Exclusivos