Mais de 800 empresários e governantes discutem globalização em Cascais em abril

O Horasis Global Meeting, encontro que junta empresários, governantes e especialistas, decorre pela quarta vez em Cascais em abril, este ano para discutir a globalização, reunindo mais de 800 personalidades mundiais de 70 países, segundo a organização.

"Mais de 800 presidentes executivos e representantes de governos estarão reunidos para juntos inspirarem o futuro. Um futuro baseado no planeamento a longo prazo", explicou à agência Lusa o líder desta organização internacional, Frank-Jurgen Richter.

"Este ano, políticos e líderes empresariais vão reunir-se para debater e promover políticas que possam dar origem a uma forma mais justa de globalização, capaz de estimular e sustentar o desenvolvimento económico global em benefício de todos os segmentos da sociedade", adiantou.

Pela quarta vez consecutiva, o Horasis Global Meeting decorre em Cascais, entre 06 e 09 de abril, para discutir a globalização.

Além do primeiro-ministro, António Costa, e de vários ministros do executivo português, marcarão presença no evento o comissário europeu português Carlos Moedas, além de outros governantes mundiais, presidentes executivos e representantes de empresas de renome à escala global.

Entre os nomes dos empresários confirmados constam Durão Barroso, atual presidente do banco Goldman Sachs International e ex-presidente da Comissão Europeia.

"Precisamos de mais diálogo e cooperação. E temos de inspirar em conjunto o futuro", frisou Frank-Jurgen Richter, adiantando que "um profundo ressentimento da globalização está atualmente a fervilhar em todo o mundo, exemplificado pelo movimento dos 'coletes amarelos' em França", e que "grande parte do mundo considera que fracassou na globalização".

O presidente da Horasis adiantou que, ao longo dos quatro dias do evento, haverá palestras e debates sobre temas como desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas, criptomoedas, uma próxima crise financeira, tecnologias imersivas, diversidade no local de trabalho, a quarta revolução industrial, a pós-era da verdade, como travar o assédio sexual, modelar a migração sustentável e a tecnologia 'blockchain', que permite guardar dados de forma descentralizada e privada.

Em declarações à Lusa, Frank Jurgen-Richter antecipou que está em formação uma crise económica global que "será muito pior do que a de 2008" e que será desencadeada pelo 'Brexit' e pela guerra comercial EUA-China.

No entender do presidente da Horasis, existem "três razões pelas quais a próxima crise será muito pior do que a crise de 2008".

Em primeiro lugar, "a escalada do nacionalismo e do isolacionismo conduzirá a uma menor cooperação entre as nações" do que se verificou em 2008.

Um segundo aspeto prende-se com a China, que, na recessão de 2008, "permaneceu relativamente ilesa", o que "já não é o caso".

E, por último, Jurgen-Richter apontou a "falta geral de liderança nacional, regional e global".

Questionado sobre quais as principais mensagens que, se pudesse, transmitiria aos líderes mundiais, o fundador e presidente da Horasis indicou três pontos: "quebrar o ciclo de curto prazo, nacionalismo e populismo, fortalecer as instituições multinacionais e criar novos sistemas de bem-estar social, porque os sistemas atuais com origem na Revolução Industrial, não acompanharam a globalização".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?