Mais de 700 cidadãos querem Arquivo de Lisboa nos terrenos da antiga Feira Popular

Mais de 700 cidadãos já assinaram uma petição pública que pede a construção de um edifício de raiz para o Arquivo Municipal de Lisboa nos terrenos da antiga Feira Popular, em Entrecampos.

Segundo uma informação divulgada hoje pela Comissão de Moradores do Bairro Azul, em Lisboa, a petição partiu de um grupo de residentes daquela zona e conta neste momento com 712 assinaturas.

"Instalado provisoriamente, há décadas, em edifícios sem condições, o Arquivo Municipal de Lisboa está atualmente disperso por quatro núcleos situados em Campolide, Arco do Cego, Alcântara e Arroios", criticam os moradores, pedindo que seja criado um edifício de raiz "que centralize o arquivo".

A petição lembra que a Operação Integrada de Entrecampos "é uma das maiores operações urbanísticas das últimas décadas em Lisboa" e que "são cerca de 25 hectares de terrenos camarários no centro da cidade".

Assim, os moradores do Bairro Azul consideram "que este será o momento ideal para construir, nesses terrenos, um edifício que centralize o arquivo, que acolha de forma digna funcionários e utentes, nacionais e estrangeiros, cujo número tem aumentado exponencialmente".

Os peticionários acreditam ainda que, "para além da desejada e indispensável segurança e dignificação do arquivo, a sua instalação neste local, junto ao edifício da Câmara Municipal de Lisboa, teria ainda como objetivo potenciar e consolidar uma nova centralidade turístico-cultural", acrescentando que, a concretizar-se, esta construção "será uma enorme mais-valia para a urbanização que agora se projeta para Lisboa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.