Mais de 20 anos depois conjunto são tomense África Negra edita novo álbum

O conjunto são-tomense África Negra lança em fevereiro novo álbum, intitulado "Alia cu Omali", mais de 20 anos depois da última edição física da 'histórica' banda que começou em São Tomé e Príncipe, nos anos 1970.

O álbum, com músicas originais, é editado pela portuguesa Mar & Sol e vai ter distribuição mundial pela holandesa Rush Hour, marcando o regresso da banda aos discos, depois da última edição ter sido em 1996 com o CD "Madalena Meu Amor".

"Alia cu Omali" foi "gravado entre São Tomé e Lisboa" em 2018 e conta "com algumas músicas que já tinham composto ao longo dos anos e composições novas", para além de dois temas populares que os África Negra "tocam desde sempre", ao ponto de os próprios são-tomenses "pensarem que são músicas" daquele conjunto, contou à Lusa o responsável da editora Mar & Sol, Sebastião Delerue.

"Os África Negra estão vivos, de boa saúde e recomendam-se. Como o espetro da editora seria ir buscar músicas de toda a África lusófona, nada melhor para representar São Tomé que os África Negra, que são uma banda que está no ativo e que é um bom exemplo para representar" aquele país, explicou.

Para Sebastião Delerue, o som dos África Negra mantém-se passado mais de 40 anos da sua formação (1974), sendo uma espécie de puíta (estilo musical de São Tomé) lento, estando também presente o soukous e as influências de rumba.

A banda já teve várias formações - "praticamente, todos os músicos de São Tomé já tocaram nos África Negra" -, mas, no disco, a formação conta com músicos que estão no conjunto "há 30 anos", tirando o baterista, um jovem são-tomense a morar em Lisboa, referiu.

Liderada por João Seria, vocalista que se autointitula "general" e usa sempre uma boina militar nos concertos, a banda editou cinco álbuns em vinil em Portugal, entre 1981 e 1990, sendo hoje considerados discos raros e vendidos por preços acima dos 100 euros.

"Gravaram vários sucessos e conseguiram ficar famosos em São Tomé, mas também no resto da África lusófona. Em Cabo Verde, encontram-se discos dos África Negra e ouve-se na rádio", vinca Sebastião Delerue.

As mulheres - que deram nome a álbuns como "Alice" e "Angélica" - continuam a ser objeto de temas deste novo álbum, assim como as paisagens de São Tomé ("Alia cu Omali" significa "areia e mar" em crioulo são-tomense).

Após a edição do disco, são esperados concertos dos África Negra "em Portugal, assim como lá fora", informou o responsável da Mar & Sol.

A editora, focada na música da África lusófona, reeditou em 2018 dois álbuns de artistas de Cabo Verde - Pedrinho e Américo Brito -, sendo que o objetivo é continuar a lançar e promover a música feita nestes países.

"Temos a Guiné-Bissau e Angola por explorar e, talvez, iremos lançar mais coisas de Cabo Verde e São Tomé", avançou.

"Há cada vez mais interesse nestas músicas. A procura em ouvir estes ritmos africanos está a aumentar e isso é bom. É bom que se oiça esta música, que faz parte da nossa história. Acho importante que isso não acabe, que não tenha um fim, que tenha uma continuidade", vincou Sebastião Delerue.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.