Maioria dos autarcas favoráveis à regionalização a curto prazo - Estudo

Mais de dois terços dos autarcas são favoráveis à regionalização a curto prazo, uma opinião transversal a todos os partidos políticos, segundo um estudo hoje divulgado.

O inquérito sobre a "Organização do Estado e as competências dos municípios" foi realizado pelo ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa e foi apresentado no "Fórum Políticas Públicas 2019 -- Desenvolvimento, Descentralização e Poder Local", que hoje decorre na Assembleia da República.

De acordo com o estudo, 77% dos autarcas quer a criação de regiões administrativas no curto prazo e 84% destes defendem regiões administrativas com órgãos próprios eleitos diretamente.

"Os concelhos de natureza rural refugiam-se na resposta neutra, mas os autarcas metropolitanos convergem na ideia de que as áreas metropolitanas deviam ter um Governo próprio eleito por sufrágio", sublinhou Raul Lopes, do ISCTE, que apresentou os resultados.

Segundo os resultados, 83% dos autarcas das áreas metropolitanas defendem a criação de um governo metropolitano, eleito por sufrágio.

Os resultados do inquérito sublinham que "a regionalização é uma ambição transpartidária", com 100% dos autarcas da CDU a defenderem a criação de regiões administrativas a curto prazo, assim como 85% dos autarcas socialistas, 67% dos autarcas do PSD e 67 dos autarcas centristas.

No que respeita à origem regional dos autarcas, "a regionalização é uma ambição que se sobrepõe aos desequilíbrios regionais de desenvolvimento", com 70% dos autarcas das regiões autónomas a defenderem a criação das regiões administrativas, assim como 80% dos autarcas do interior e 75% dos autarcas do litoral.

O estudo foi realizado junto de autarcas de municípios e de freguesias e teve uma amostra representativa próxima da distribuição real, tendo em conta a representatividade partidária, a dimensão dos concelhos e a distribuição geográfica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.