Maiores bancos desfizeram-se de pelo menos 5.719 ME em crédito malparado em 2018

Os seis maiores bancos que operam em Portugal aceleraram a venda de crédito malparado em 2018, tendo vendido pelo menos 5.719 milhões de euros deste tipo de empréstimos, segundo contas feitas pela agência Lusa.

Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços e também cumprirem as exigências de reguladores e supervisores bancários, que consideram que estes ativos 'tóxicos' são a principal fragilidade do sistema bancário português.

Apesar de o Novo Banco ainda não ter apresentado os resultados de 2018 (o que acontecerá em 01 de março), no final do ano o banco informou o mercado que vendeu a fundos de investimento uma significativa carteira de crédito de 102 mil contratos no valor de 2.150 milhões de euros.

O Banco Montepio também não apresentou contas mas também divulgou, no final de 2018, que vendeu 10 mil contratos no valor de 239 milhões de euros a uma empresa da Irlanda.

Quanto aos bancos que já apresentaram contas, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) alienou o ano passado 1.200 milhões de euros em crédito malparado e o Santander Totta vendeu 1.000 milhões de euros de empréstimos ao imobiliário, em grande parte do ex-Banco Popular.

Já o BCP divulgou hoje que alienou uma carteira de crédito de 730 milhões de euros e o BPI vendeu em novembro 400 milhões de euros.

No ano passado vários bancos aceleram a venda de malparado, com a alienação de grandes carteiras de crédito em incumprimento e com reduzida possibilidade de serem pagos pelos devedores. O objetivo destas operações (conhecidas por 'write-offs') é retirar estes ativos problemáticos de balanço, melhorando-o, mas também cumprir uma exigência dos reguladores e supervisores bancários.

Contudo, esta medida pode ter um impacto negativo nos resultados caso haja necessidade de suprir a diferença a que os créditos estão registados no balanço e o valor a que são vendidos.

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse em janeiro que a venda de crédito superior a 2.000 milhões de euros teve "um prejuízo inferior a 6%".

Já o administrador financeiro do Santander Totta Manuel Preto disse, em conferência de imprensa no início do mês, que as vendas de malparado tiveram um "impacto na conta de resultados praticamente nulo", considerando que isso mostra que esses créditos estavam bem provisionados nas contas da instituição detida pelo grupo espanhol Santader.

O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse hoje que os 730 milhões de euros de malparado alienado significaram uma menos-valia de 49,4 milhões de euros.

Quanto ao BPI, com a venda de 400 milhões de euros lucrou 17 milhões de euros.

Em janeiro, a agência de 'rating' Moody's considerou que os bancos portugueses estão a limpar os seus balanços com maior velocidade e que a tendência se manterá em 2019, mas alertou que, apesar de o volume de 'NPL -non-performing loans' (expressão em inglês para crédito malparado) estar a descer, "ainda continua a ser um constrangimento importante nos perfis de crédito da maioria dos bancos".

Já a semana passada, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) defendeu no Relatório Económico sobre Portugal (Economic Survey da OCDE -- Portugal 2019) que as autoridades públicas deveriam ter "um papel mais ativo" a ajudar os bancos a 'limpar' os seus balanços do crédito malparado, pois ainda é elevado apesar de alguns progressos feitos.

Contudo, admitiu que as regras da União Europeia sobre ajudas de Estado criam muitas barreiras a esse tipo de medidas.

O crédito malparado é em Portugal mais do triplo da média da União Europeia. Em meados de 2018 o malparado nos bancos portugueses equivalia a 12% do total do crédito concedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.