Madeira destaca importância das relações com a Rússia

O presidente do Governo Regional da Madeira destacou hoje a importância das relações entre esta região e a Rússia e lembrou que essas ligações foram estabelecidas há cerca de 300 anos.

"As relações entre a Madeira e a Rússia remontam ao século XVIII e começaram a estreitar-se em duas vertentes: nos negócios e no turismo", disse Miguel Albuquerque, durante a inauguração, no Funchal, da primeira escola russa na região, um projeto desenvolvido pela Associação Centro Russo de Cultura e Formação Pushkin.

Miguel Albuquerque vincou que as relações comerciais com aquele país se basearam inicialmente no vinho Madeira, um produto muito apreciado e disputado na corte russa, sendo que depois a ilha passou a ser também um "lugar importante" de veraneio das elites.

O pintor Karl Briullov (1799-1852) foi, por exemplo, uma das grandes figuras russas que visitou a Madeira, pelo que o Governo Regional adquiriu um dos seus quadros pintados na ilha, que atualmente integra o espólio do Museu Quinta das Cruzes. Deste artista há também um busto no Jardim Municipal.

"A vossa presença na Madeira contribui para aquilo que aqui é fundamental: o cosmopolitismo e a abertura cultural ao mundo", sublinhou Miguel Albuquerque, indicando que a comunidade russa residente na Madeira ultrapassa as 260 pessoas.

"A diáspora russa já é suficientemente grande e há muitas crianças já com carências de aprendizagem da língua, cultura e história russas", disse, por outro lado, Anna Pogrebtsova, presidente da Associação Centro Russo de Cultura e Formação Pushkin.

A escola, cuja inauguração contou com a presença do embaixador da Rússia em Portugal, Mikhail Kamynin, não está, contudo, direcionada apenas à comunidade residente, mas também a crianças e cidadãos portugueses interessados naquela língua.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.