Macau quer mais professores de português e mais bolsas para estudantes

Macau vai contratar mais professores de português e atribuir mais bolsas a alunos chineses que estudem português e a estudantes de países de língua portuguesa que queiram aprender chinês, afirmou hoje o responsável dos assuntos sociais e culturais, Alexis Tam.

O Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, que recebeu hoje o doutoramento 'Honoris Causa' na Universidade de Lisboa, salientou no seu discurso a importância de reforçar a cooperação entre os países lusófonos e a China, destacando áreas como o turismo e o comércio.

"Iremos apostar ainda mais na promoção da cooperação nos domínios educativo e cultural, dando continuidade ao Festival de Artes de Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa e ao Fórum Cultural, contratando mais docentes de língua portuguesa, aumentando o número de bolsas para estudantes dos países de língua portuguesa que desejem aprender o chinês e para alunos chineses que estudem o português", realçou o governante.

Além de ser uma das línguas oficiais de Macau, o português é uma das línguas estrangeiras mais procuradas pelos estudantes chineses e o governo de Macau tem vindo a planear um sistema educativo bilingue para criar oportunidades para aprender o português e o chinês.

"Estamos a implementar políticas para atrair os alunos não apenas portugueses, mas também de países de língua portuguesa para estudar em Macau", declarou Alexis Tam aos jornalistas, lembrando que o português "é uma das línguas mais faladas do mundo", despertando interesse não só em Macau, mas também na China "devido à amizade entre os dois países" e às ligações comerciais.

Durante o discurso, Alexis Tam adiantou que o título que lhe foi hoje atribuído tem "um significado especial", já que foi aluno da Universidade de Lisboa, onde além de abrir "horizontes" e estabelecer contactos com mundo ocidental, conheceu também a mulher.

"Foi-me difícil não ficar apaixonado por este país e pelo seu povo", confessou.

Enalteceu o relacionamento de Portugal e da China ao longo de quatro séculos, do qual resultaram "laços de amizade e confiança mútuas" e sublinhou que ao regressar a Macau, "um território onde se cruzam e coexistem as civilizações ocidental e oriental" trabalhou em prol da educação e do desenvolvimento de políticas de promoção da aprendizagem de línguas estrangeiras.

Na cerimónia de atribuição do título 'Honoris Causa', o ex-reitor da Universidade Nova de Lisboa e padrinho do homenageado, António Sampaio da Nóvoa, elogiou o antigo aluno da Faculdade de Letras por ser um "homem que sempre cuidou da língua e cultura portuguesas".

Várias individualidades ligadas à educação e a Macau estiveram também presentes no tributo, desde diplomatas a ex-governadores, passando pelo presidente da Fundação Oriente, Carlos Monjardino, e o ex-ministro da Educação, Roberto Carneiro.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.