Livro de João Pedro Mésseder e ilustradora Rachel Caiano apresentado em Coimbra

O escritor João Pedro Mésseder e a ilustradora Rachel Caiano apresentam, em Coimbra, no sábado, o seu mais recente livro, "Canções do Ar e das Coisas Altas", seguido de oficina para crianças.

O Teatro da Cerca de São Bernardo (TCSB), em Coimbra, acolhe no sábado de manhã a apresentação do livro "Canções do Ar e das Coisas Altas", uma obra composta por "poemas que são letras de canções" e que, "por isso mesmo, será objeto de uma apresentação cantada, com momentos musicais interpretados pelos próprios autores", informou hoje a Escola da Noite, companhia de teatro que gere aquele espaço cultural.

Depois da apresentação, que tem entrada livre, vai decorrer uma oficina de ilustração dirigida por Rachel Caiano, que vai desafiar as crianças (maiores de seis anos) a desenharem "o que veem quando olham para as nuvens".

Durante esta semana, o TCSB recebe também, na terça-feira, às 21:30, a projeção do filme "A Batalha de Tabatô", de João Viana, uma obra exibida no contexto do ciclo de cinema "Guiné-Bissau, 46", uma iniciativa da Organização de Estudantes da Guiné-Bissau em Coimbra e do projecto (DE)OTHERING, do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, que visa "pluralizar as representações" deste país em Portugal.

No sábado, o teatro será palco de um debate sobre as alterações climáticas, intitulado "À beira da extinção, o que fazer?", organizado pelo colectivo ClimAção Centro, que pretende discutir o ponto de situação das políticas climáticas e possíveis soluções para enfrentar o aquecimento global, refere a Escola da Noite, na nota de imprensa enviada à agência Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.