Livro "30 anos de fotojornalismo" mostra carreira da fotojornalista Lucília Monteiro

Uma volta ao mundo em imagens com histórias ilustra o livro "30 anos de fotojornalismo" de Lucília Monteiro, fotojornalista da Visão que se assume como autora das fotos "feias com significado", disse a autora à Lusa.

Com curadoria da escritora Patrícia Reis e texto do jornalista da Visão Miguel Carvalho, o livro, lançado hoje no Porto, surge como uma homenagem à fotojornalista nascida em 1966 em Santa Cruz, na ilha da Madeira, que em 2019 cumpre 30 anos de carreira.

Contou à Lusa Lucília Monteiro que o "desafio lançado por Patrícia Reis" implicou uma busca exaustiva de fotos do seu arquivo pessoal "até 2000 em versão negativo e slides", mas que foi "conseguido em 15 dias", apesar de lhe ter "roubado muitas horas de sono".

"Há 30 anos, o ideal era chegar o mais depressa possível ao acontecimento e ser a primeira a dar a foto. Hoje isso mudou, o chegar primeiro é para esquecer. Hoje a primeira foto é feita pelo telemóvel, por quem vai a passar, e destina-se às redes sociais", explicou a fotojornalista de um percurso vivido na primeira pessoa e que, três décadas passadas, "obriga a estar atualizada".

E prosseguiu: "hoje o conceito é outro. A nossa missão é chegar ao local e fazer diferente. Eu não sou a fotógrafa das fotos espetaculares, mas sim das feias com significado".

Enfatizando que o livro retrata o seu "espírito de contar historinhas com fotos", salienta como exemplo a fotografia escolhida para a capa do livro, "da queda da ponte em Castelo de Paiva, que mostra a roupa a secar, com a ponte caída atrás, simbolizando que a vida continua".

Numa obra "com cerca de 80 fotos, a preto e branco e a cores, mas sempre com uma história associada", o trabalho de Lucília Monteiro vai da Europa à Ásia, passando por África sem perder de vista alguns dos principais momentos de Portugal nos últimos 30 anos.

No livro surge retratado o Mercado do Bolhão, no Porto, "onde todos os políticos passaram em campanha eleitoral e nunca ninguém fez nada por ele, deixando-o chegar aquela degradação, decadência", lembrou a fotojornalista que nesse trabalho exibiu "o desespero das pessoas, a espera".

Outro exemplo foi a reportagem que precedeu a implosão das torres do Bairro do Aleixo, também no Porto, e onde a sua "teimosia" resultou na "autorização do engenheiro" para fotografar os últimos momentos antes da queda, registando, assim, "as frases que as pessoas deixaram escritas nas paredes".

"Sou, também, uma contadora de histórias", autodefiniu-se a fotojornalista.

A apresentação do livro decorrerá no sábado, às 18:00, na Galeria Código Design, no Porto.