Livro "30 anos de fotojornalismo" mostra carreira da fotojornalista Lucília Monteiro

Uma volta ao mundo em imagens com histórias ilustra o livro "30 anos de fotojornalismo" de Lucília Monteiro, fotojornalista da Visão que se assume como autora das fotos "feias com significado", disse a autora à Lusa.

Com curadoria da escritora Patrícia Reis e texto do jornalista da Visão Miguel Carvalho, o livro, lançado hoje no Porto, surge como uma homenagem à fotojornalista nascida em 1966 em Santa Cruz, na ilha da Madeira, que em 2019 cumpre 30 anos de carreira.

Contou à Lusa Lucília Monteiro que o "desafio lançado por Patrícia Reis" implicou uma busca exaustiva de fotos do seu arquivo pessoal "até 2000 em versão negativo e slides", mas que foi "conseguido em 15 dias", apesar de lhe ter "roubado muitas horas de sono".

"Há 30 anos, o ideal era chegar o mais depressa possível ao acontecimento e ser a primeira a dar a foto. Hoje isso mudou, o chegar primeiro é para esquecer. Hoje a primeira foto é feita pelo telemóvel, por quem vai a passar, e destina-se às redes sociais", explicou a fotojornalista de um percurso vivido na primeira pessoa e que, três décadas passadas, "obriga a estar atualizada".

E prosseguiu: "hoje o conceito é outro. A nossa missão é chegar ao local e fazer diferente. Eu não sou a fotógrafa das fotos espetaculares, mas sim das feias com significado".

Enfatizando que o livro retrata o seu "espírito de contar historinhas com fotos", salienta como exemplo a fotografia escolhida para a capa do livro, "da queda da ponte em Castelo de Paiva, que mostra a roupa a secar, com a ponte caída atrás, simbolizando que a vida continua".

Numa obra "com cerca de 80 fotos, a preto e branco e a cores, mas sempre com uma história associada", o trabalho de Lucília Monteiro vai da Europa à Ásia, passando por África sem perder de vista alguns dos principais momentos de Portugal nos últimos 30 anos.

No livro surge retratado o Mercado do Bolhão, no Porto, "onde todos os políticos passaram em campanha eleitoral e nunca ninguém fez nada por ele, deixando-o chegar aquela degradação, decadência", lembrou a fotojornalista que nesse trabalho exibiu "o desespero das pessoas, a espera".

Outro exemplo foi a reportagem que precedeu a implosão das torres do Bairro do Aleixo, também no Porto, e onde a sua "teimosia" resultou na "autorização do engenheiro" para fotografar os últimos momentos antes da queda, registando, assim, "as frases que as pessoas deixaram escritas nas paredes".

"Sou, também, uma contadora de histórias", autodefiniu-se a fotojornalista.

A apresentação do livro decorrerá no sábado, às 18:00, na Galeria Código Design, no Porto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.