Lisboa Belém Open em ténis ficou sem jogadores portugueses

Lisboa, 15 mai 2019 (Lusa) - Os três jogadores portugueses que ainda disputavam o quadro de singulares do Lisboa Belém Open em ténis, foram eliminados na segunda ronda da prova.

Num dia em que era aguardada a entrada em ação de Pedro Sousa, 120.º do 'ranking' mundial, o quarto cabeça de série anunciou a sua desistência, tendo entrado para o seu lugar o português Luís Faria, na qualidade de 'lucky loser', que perdeu frente ao italiano Roberto Marcora (190.º) por 6-1 e 6-2, em 54 minutos.

Recente vencedor do 'Challenger' de Braga, João Domingues (163.º), 15.º cabeça de série em Lisboa, não conseguiu dar continuidade à sua boa fase e acabou derrotado frente ao espanhol Mario Vilella Martinez (260.º), por 6-3 e 6-4, em uma hora e 23 minutos.

Já depois de ter superado a primeira ronda, Frederico Silva (326.º) acabou derrotado frente ao sétimo cabeça de série, o espanhol Pedro Martinez (143.º), que venceu com 6-3 e 6-4, em uma hora e 39 minutos.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.