Liga Guineense dos Direitos Humanos estranha ausência da polícia em protestos

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, disse hoje estranhar a ausência de polícia nas ruas de Bissau, onde alunos queimaram pneus e impediram a circulação automóvel, em protesto pela falta de aulas.

Augusto da Silva, que se mostrou solidário com as reivindicações dos alunos sobre o direito a terem aulas, condenou os atos de vandalismo que tiveram lugar em vários pontos da cidade e criticou a ausência das forças de ordem perante os distúrbios.

"Não se compreende esta ausência da polícia, perante os acontecimentos preocupantes que ocorreram hoje nas ruas de Bissau", observou o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos.

Augusto da Silva salientou que o Ministério da Administração Interna coordena as várias forças policias e tem a responsabilidade de garantir que a tranquilidade pública não seja posta em causa, mas que "estranhamente remeteu-se ao silêncio" perante os distúrbios pela cidade de Bissau.

O dirigente da Liga disse ter dito pessoalmente aos alunos que concordava com as suas exigências do fim da greve dos professores, mas que não estava de acordo com o fecho das estradas e muito menos que queimassem pneus pelas ruas de Bissau.

Augusto da Silva indicou aos alunos que com a sua ação de protestos estavam a colocar em causa os direitos que também assistem a outras pessoas de andarem livremente pela cidade.

O líder da Liga Guineense dos Direitos Humanos pediu calma e contenção aos alunos, exortou a polícia a repor ordem na cidade e apelou os professores para que sejam razoáveis com as suas greves.

Os professores guineenses estiveram em greve entre outubro e janeiro e os alunos das escolas públicas não tiveram aulas durante todo o primeiro período do ano letivo.

Os três sindicatos de professores iniciam segunda-feira mais um período de greve de 30 dias para reclamar os pagamentos de salários e subsídios em atraso há vários anos e aplicação do Estatuto de Carreira Docente.

Os protestos de hoje levaram ao cancelamento de uma série de atividades oficiais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.