Liga Guineense dos Direitos Humanos estranha ausência da polícia em protestos

O presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, Augusto da Silva, disse hoje estranhar a ausência de polícia nas ruas de Bissau, onde alunos queimaram pneus e impediram a circulação automóvel, em protesto pela falta de aulas.

Augusto da Silva, que se mostrou solidário com as reivindicações dos alunos sobre o direito a terem aulas, condenou os atos de vandalismo que tiveram lugar em vários pontos da cidade e criticou a ausência das forças de ordem perante os distúrbios.

"Não se compreende esta ausência da polícia, perante os acontecimentos preocupantes que ocorreram hoje nas ruas de Bissau", observou o presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos.

Augusto da Silva salientou que o Ministério da Administração Interna coordena as várias forças policias e tem a responsabilidade de garantir que a tranquilidade pública não seja posta em causa, mas que "estranhamente remeteu-se ao silêncio" perante os distúrbios pela cidade de Bissau.

O dirigente da Liga disse ter dito pessoalmente aos alunos que concordava com as suas exigências do fim da greve dos professores, mas que não estava de acordo com o fecho das estradas e muito menos que queimassem pneus pelas ruas de Bissau.

Augusto da Silva indicou aos alunos que com a sua ação de protestos estavam a colocar em causa os direitos que também assistem a outras pessoas de andarem livremente pela cidade.

O líder da Liga Guineense dos Direitos Humanos pediu calma e contenção aos alunos, exortou a polícia a repor ordem na cidade e apelou os professores para que sejam razoáveis com as suas greves.

Os professores guineenses estiveram em greve entre outubro e janeiro e os alunos das escolas públicas não tiveram aulas durante todo o primeiro período do ano letivo.

Os três sindicatos de professores iniciam segunda-feira mais um período de greve de 30 dias para reclamar os pagamentos de salários e subsídios em atraso há vários anos e aplicação do Estatuto de Carreira Docente.

Os protestos de hoje levaram ao cancelamento de uma série de atividades oficiais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.