Liga das Nações: Roménia e Sérvia confirmam favoritismo face a Lituânia e Montenegro

As seleções da Roménia e da Sérvia confirmaram o seu favoritismo, ao venceram fora as congéneres da Lituânia e de Montenegro, por 2-1 e 2-0, respetivamente, em jogos do grupo 4 da Liga das Nações de futebol.

Os romenos estiveram em vantagem desde o minuto 13, altura em que Alexandru Chipciu abriu o marcador, mas a seleção lituana logrou empatar aos 90 minutos, graças a um golo de Arturas Zulpa, mas, quando se pensava que o empate estava consumado, a Roménia voltou a marcar, aos 90+4, por Alexandru Maxim.

Já os sérvios não sentiram tantas dificuldades para se imporem a Montenegro, com um 'bis' do avançado Aleksander Mitrovic, que alinha nos ingleses do Fulham, aos 18 e aos 82 minutos, o primeiro de penálti.

Pela seleção sérvia alinhou durante os 90 minutos o benfiquista Andrija Zivkovic.

O grupo 4 da Liga C é liderado pela Sérvia, com sete pontos, seguida pela Roménia, com cinco, de Montenegro, com quatro, e da Lituânia, sem pontos.

No grupo 1 da Liga C, Israel recebeu e venceu a Escócia por 2-1, mas os israelitas estiveram em desvantagem desde o minuto 25, quando Charlie Mulgrew inaugurou o marcador, na conversão de uma grande penalidade, até ao minuto 52, altura em que a seleção da casa repôs a igualdade, através de Dor Peretz.

O golo que garantiu os três pontos aos israelitas foi marcado por Kieran Tierney, na própria baliza, aos 75 minutos.

O grupo 1 regista a curiosidade das três seleções que o compõem, Escócia, Israel e Albânia, somarem três pontos.

No grupo 3 da Liga D, o Azerbaijão foi às Ilhas Faroé vencer de forma concludente por 3-0, enquanto o Kosovo recebeu e venceu a seleção de Malta por 3-1.

A seleção kosovar lidera o grupo com sete pontos, seguida do Azerbaijão com cinco, das Ilhas Faroé com três e de Malta com um apenas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.