Líder do PAIGC acusa PR guineense de tentar golpe de Estado com apoio do Senegal

Bissau, 25 jun 2019 (Lusa) - O presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) acusou hoje o chefe de Estado guineense de tentar realizar um golpe de Estado, com apoio do Senegal, para nomear um Governo de iniciativa presidencial.

Domingos Simões Pereira falava numa unidade hoteleira de Bissau, onde o PAIGC e os partidos da maioria parlamentar deram uma conferência de imprensa para explicar o que se passou desde sexta-feira, incluindo as razões pelas quais o partido desistiu de indicar o nome do seu líder para o cargo de primeiro-ministro.

"Na sexta-feira, durante todo o dia, mas sobretudo à noite, o Presidente José Mário Vaz montou uma operação de golpe de Estado e que consistia na nomeação de Edmundo Mendes (ou Malam Sambu) como primeiro-ministro e a ocupação de todas as instituições públicas por elementos das forças da defesa e segurança antes da nomeação e empossamento de um governo da sua iniciativa", afirmou Domingos Simões Pereira.

O presidente do PAIGC explicou que a "intenção não foi consumada ou terá sido abortada", porque dois dos seus "principais colaboradores", referindo-se a Braima Camará, coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), e Sola Nanquilim, vice-presidente do Partido de Renovação Social (PRS), o "teriam avisado de que as estruturas de apoio poderiam não suster a reação de outras forças de defesa e segurança e a fúria popular".

"Nós suspeitamos que, para além disso, não teria recebido luz verde do padrinho da sub-região (o Presidente do Senegal, Macky Sal), que tem coordenado toda esta operação e outros desmandos do Presidente José Mário Vaz", salientou.

A Guiné-Bissau realizou legislativas a 10 de março, mas o novo primeiro-ministro só foi nomeado sábado, depois de a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental ter admitido impor sanções a quem criasse obstáculos à concretização da ordem democrática e ter imposto até domingo passado, para a situação ficar resolvida.

O Presidente guineense, que domingo cumpriu cinco anos de mandato e marcou presidenciais para 24 de novembro, continua sem nomear o Governo.

O PAIGC indicou o nome de Domingos Simões Pereira para o cargo de primeiro-ministro, mas o chefe de Estado do país recusou alegando que aquele nome não asseguraria um relacionamento "são" e "ético".

O partido, vencedor das legislativas de 10 de março, indicou o nome de Aristides Gomes, que assume atualmente o cargo, e que acabou por ser nomeado no sábado.

Exclusivos