Líder da CES pede a Costa para pôr direitos sociais no centro da campanha europeia

O secretário-geral da Confederação Europeia dos Sindicatos (CES), o italiano Luca Visentini, apelou hoje ao primeiro-ministro para que coloque as questões dos direitos sociais e do crescimento sustentável no centro do debate nas eleições europeias.

Esta posição foi transmitida pelo líder da CES no final de uma reunião de cerca de uma hora com o primeiro-ministro, António Costa, em São Bento, na qual também estiveram presentes os secretários-gerais da CGTP-IN, Arménio Carlos, da UGT, Carlos Silva, e o ministro do Trabalho, Vieira da Silva.

"Penso que os partidos progressistas de esquerda devem pôr os assuntos dos direitos sociais e do crescimento sustentável no coração do debate, em alternativa às questões da imigração ou da segurança. Temos de colocar em marcha as respostas às preocupações da população trabalhadora", declarou Luca Visentini.

Luca Visentini disse, depois, que esse foi precisamente o tópico nuclear da conversa que manteve com o primeiro-ministro português e com o seu ministro do Trabalho.

Perante os jornalistas, tendo ao seu lado os líderes das confederações sindicais portuguesas, o secretário-geral da CES advertiu para os perigos inerentes ao crescimento de correntes populistas no continente europeu e defendeu a criação de uma Autoridade Europeia para o Trabalho, como forma de prevenir abusos e situações de exploração, e a aplicação da diretiva europeia para o estabelecimento de direitos mínimos em empregos precários.

Já sobre a escolha do Partido Popular Europeu (PPE) para que o alemão Manfred Weber seja o seu candidato a presidente da Comissão Europeia, o italiano considerou que se evitou a opção pior que seria a do ex-primeiro-ministro finlandês Alexander Stubb.

"O PPE não é o meu partido, não cabe à CES dizer o que o PPE deve fazer, mas tenho de referir que quando Alexander Stubb foi primeiro-ministro não teve o diálogo social como prioridade, sendo, claro, um neoliberal. Não posso dizer que Manfred Weber seja um campeão da Europa social, mas, certamente, pelo seu passado, terá uma maior abertura ao diálogo", sustentou.

Para o secretário-geral da CES, Manfred Weber, caso seja presidente da Comissão Europeia, poderá "provavelmente dar melhor continuidade" ao trabalho desenvolvido por Jean-Claude Juncker.

O secretário-geral da CGTP-IN recusou o binómio político entre conservadores e sociais-democratas e defendeu que, ao longo dos últimos anos, tem-se verificado que as políticas destes dois blocos políticos "foram idênticas".

"Não foram muito diferentes nas conclusões e, sobretudo, nas suas consequências. O que de pior em Portugal foi implementado está agora a ser alargado a países da Europa Central e do Norte. Promove-se um ataque muito significativo contra a contratação coletiva, procurando substitui-la pela relação individual do trabalho, com precarização das relações laborais, com uma injustíssima distribuição da riqueza e com maior desregulação dos horários em prejuízo da articulação com a vida familiar. É preciso romper e mudar de políticas", sustentou Arménio Carlos.

Para Arménio Carlos, verifica-se uma subida significativa da extrema-direita "porque, em termos europeus, não se apostou na resposta às necessidades e anseios dos trabalhadores, dos povos e dos países".

Já o secretário-geral da UGT manifestou-se apreensivo com o crescimento de fenómenos de racismo, xenofobia e populismo na Europa e responsabilizou neste ponto a sua família política.

"Esta onda de xenofobia e de populismo que tem aparecido na Europa também é em parte responsabilidade de governos de centro-esquerda e sociais-democratas quando estiveram no poder, porque as expectativas geradas não foram devidamente correspondidas. Depois de políticas de austeridade tremendas, temos hoje vários altos quadros das União Europeia a pedirem desculpa a Portugal", observou Carlos Silva.

Tal como o líder da CES, Carlos Silva afirmou ter também apelado a António Costa para que ajude a colocar no centro da agenda europeia as questões do pilar europeu dos direitos sociais, a par do combate à xenofobia e ao racismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.