Lei que permite adoção por homossexuais tem 2 anos mas ainda sem casos - Ilga

Vários casais homossexuais candidataram-se à adoção, mas dois anos após a lei permitir este ato a casais do mesmo sexo, ainda não há adoções concretizadas porque processo é moroso, disse à Lusa a diretora-executiva da associação Ilga Portugal.

A lei que permite a adoção de crianças por casais do mesmo sexo entrou em vigor a 01 de março de 2016, após ter sido chumbada no parlamento quatro vezes.

Fazendo um balanço à agência Lusa, a diretora-executiva da Ilga - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo Portugal, Marta Ramos, disse que o processo está a decorrer normalmente, mas que é habitualmente demorado.

Considerando que foi fundamental para "o reconhecimento da parentalidade e de direitos humanos iguais para todas as pessoas", Marta Ramos adiantou que não têm sido reportadas situações de discriminação.

"Tem havido candidaturas de casais", mas, "neste momento, não temos conhecimento de casais ou pessoas que já tenham adotado desde a entrada em vigor da lei, porque o processo demora uma média de três anos", explicou.

Por outro lado, "ainda não tivemos nenhum pedido de apoio jurídico de casais ou de pessoas em processo de adoção", mas apenas "pedidos de informação" sobre como dar início ao processo ou quais os requisitos necessários.

Questionado pela Lusa sobre quantos casais se candidataram à adoção, o Instituto da Segurança Social (ISS) adiantou que esse número não se encontra quantificado, porque isso significaria um ato discriminatório.

A lei "não implicou qualquer alteração na avaliação das candidaturas à adoção por parte das equipas de adoção do Instituto da Segurança Social, uma vez que a orientação sexual não é, nem era, discriminatória", refere o ISS.

"Não tendo sido alterados critérios técnicos, não se encontra quantificado o número de processos de candidatura à adoção por casais do mesmo sexo", sublinhou.

Para Marta Ramos, o que continua a não se saber, com a entrada em vigor da lei, é se foi dado algum tipo de formação aos técnicos no sentido de "perceberem se haveria ou não potencialidade de situações e práticas discriminatórias".

Práticas que "o próprio sistema durante muito tempo veiculou ao não permitir que fosse possível [a adoção por casais do mesmo sexo] e permitindo que haja práticas de profissionais que possam ter alguns preconceitos, algum desconhecimento, e que depois se traduzem em situações de discriminação".

"Há muitos preconceitos, muitos estereótipos, muitas vezes por força de leis que eram discriminatórias e que estiveram em vigor durante muito tempo", sustentou.

A esta situação junta-se a "homofobia e a transfobia social que continua a ser uma realidade, o que significa que há uma necessidade de formação de públicos estratégicos que, neste caso, serão os técnicos e técnicas que estão encarregues destes processos de adoção e co-adoção".

"Aquilo que defendemos é que as coisas corram dentro da normalidade, que os casais e as pessoas tenham acesso aos seus direitos e vejam reconhecidas as suas estruturas familiares e os seus projetos de parentalidade sem discriminação e em igualdade de circunstância com todas as outras pessoas", defendeu a responsável.

Marta Ramos ressalvou que "não se trata de direitos especiais", mas de apenas "reconhecer aquilo que é legítimo e expectável".

Por esta razão, a associação continua a congratular "o passo fundamental" que foi dado com a entrada em vigor da lei.

"No caso da co-adoção existiam várias famílias que precisavam de ver a sua situação legalmente resolvida" e, por outro lado, "há todo um projeto de parentalidade que é legitimo para qualquer pessoa e que durante muito tempo esteve vedado a pessoas LGBT", salientou.

Portanto, "faz todo o sentido que o Estado de direito democrático vá evoluindo no sentido do reconhecimento de direitos humanos de todas as pessoas".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.