Legionella: BE exige esclarecimentos à população

A líder do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, exigiu hoje "esclarecimentos o mais breve possível a toda a população" sobre o surto de 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.

"Estamos a acompanhar com preocupação [a situação]. Está a ser investigada a origem do surto. Têm de ser dados esclarecimentos o mais breve possível a toda a população e tem de se resolver o problema", disse a coordenadora do BE.

Catarina Martins, que falava aos jornalistas à margem de uma visita à escola Dr. Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, referiu que o BE já pediu reuniões à direção do hospital e à Direção-Geral de Saúde para "compreender o que está a acontecer e o que está a ser feito".

"O parlamento está em debate orçamental e fará as necessárias audições com o ministro da Saúde e todos os intervenientes da área. Mas o BE, ainda mesmo antes desse debate parlamentar, pediu reuniões e está atento e preocupado", acrescentou Catarina Martins.

Em causa um caso em que foram diagnosticadas desde 31 de outubro 26 pessoas infetadas com doença dos legionários, conhecida também por 'legionella', relacionadas com o hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.

Dos 26 casos diagnosticados, um doente encontra-se numa unidade de saúde privada, outro teve alta, um terceiro está no Hospital Pulido Valente, dois na unidade de cuidados intensivos do hospital São Francisco Xavier e os restantes encontram-se internados no hospital Egas Moniz.

No domingo, o ministro da Saúde deu duas semanas à Direção-Geral de Saúde e ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge para que "habilitem o Governo com um relatório detalhado, que seja do conhecimento público", para apurar a forma como as coisas correram.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.