Kendrick Lamar lidera nomeações aos prémios de música Grammy

O rapper norte-americano Kendrick Lamar lidera, com oito nomeações, a corrida à 61.ª edição dos prémios Grammy, com cerimónia marcada para 10 de fevereiro, em Los Angeles, destacando-se também Drake, com sete nomeações.

Segundo a lista hoje divulgada, Lamar e Drake estão ambos nomeados para três das quatro categorias principais dos Grammy: gravação do ano, álbum do ano e canção do ano, que, este ano, com o objetivo de aumentar o número de mulheres entre os nomeados, passaram de cinco para oito artistas, juntamente com a categoria de melhor artista jovem.

Para o Grammy de melhor gravação do ano estão também nomeados Cardi B, Bad Bunny e J Balvin ("I Like It"), Brandi Carlile ("The Joke"), Childish Gambino ("This is America"), Lady Gaga e Bradley Cooper ("Shallow"), Post Malone com 21 Savage ("Rockstar"), Zedd, Maren Morris e Grey ("The Middle"). Os rappers Kendrick Lamar e Drake juntam-se com "All the Stars" e "God's Plan", respetivamente.

Na categoria de álbum do ano destaca-se Kendrick Lamar, com o álbum do filme "Black Panther", que se junta a Cardi B, com "Invasion of privacy", Brandi Carlile, com "By the way, I forgive you", Drake, com "Scorpion", H.E.R., com "H.E.R.", Post Malone, com "Beerbongs & Bentleys", Janelle Monáe, com "Dirty Computer" e, finalmente, Kacey Musgraves, com "Golden Hour".

Nos nomeados para melhor canção do ano -- categoria que se centra nas letras das canções -- encontram-se "All the stars" (Kendrick Lamar e SZA), Boo'd Up (Ella Mai), "God's Plan" (Drake), "In my Blood" (Shawn Mendes), "The Joke" (Brandi Carlile), "The Middle" (Zedd, Maren Morris e Grey), "Shallow" (Lady Gaga e Bradley Cooper) e "This is America" (Childish Gambino).

Chloe x Halle, Luke Combs, Greta Van Fleet. H.E.R., Dua Lipa, Margo Price, Bebe Rexha e Jorja Smith competem para melhor artista jovem, outro dos principais prémios atribuídos na indústria da música.

A cerimónia dos Grammy, que na edição passada ocorreu em Nova Iorque, regressa este ano a Los Angeles, nos Estados Unidos, dia 10 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.