Juros da dívida de Portugal caem a dois, cinco e dez anos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje de manhã a cair a dois, cinco e dez anos em relação a segunda-feira, alinhados com os de Espanha, Grécia e Itália.

Cerca das 08:30 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a recuar para 1,643%, contra 1,651% na segunda-feira.

No prazo de cinco anos, os juros também estavam a descer, para 0,411%, contra 0,423% na véspera.

No mesmo sentido, os juros a dois anos desciam para -0,224%, contra -0,214% na segunda-feira.

Os juros da Irlanda desciam a cinco anos e subiam a dez anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:30:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

12/02......-0,224....0,411......1,643

11/02......-0,214....0,423......1,651

Grécia

12/02.......n.disp...3,335......3,984

11/02.......n.disp...3,355......3,996

Irlanda

12/02......n.disp....0,083......0,897

11/02......n.disp....0,085......0,896

Itália

12/02.......0,528....1,882......2,865

11/02.......0,582....1,931......2,897

Espanha

12/02......-0,254....0,219......1,231

11/02......-0,244....0,227......1,239

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.