Juros da dívida de Portugal caem a dois, cinco e dez anos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje de manhã a descer a dois, cinco e dez anos em relação a segunda-feira, alinhados com os de Espanha, Grécia, Irlanda e Itália.

Cerca das 08:45 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a cair para 1,737%, contra 1,748% na segunda-feira.

No prazo de cinco anos, os juros estavam a recuar para 0,549%, contra 0,556% na sessão anterior.

Os juros a dois anos também estavam a descer, para -0,170%, contra -0,162% na véspera.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:45:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

22/01......-0,170....0,549......1,737

21/01......-0,162....0,556......1,748

Grécia

22/01.......n.disp...2,950......4,136

21/01.......n.disp...2,953......4,139

Irlanda

22/01......n.disp....0,118......0,977

21/01......n.disp....0,123......0,986

Itália

22/01.......0,314....1,591......2,745

21/01.......0,333....1,612......2,757

Espanha

22/01......-0,241....0,296......1,351

21/01......-0,238....0,303......1,363

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.