Juros da dívida de Portugal caem a dois anos e sobem a cinco e dez anos

Os juros da dívida portuguesa estavam hoje de manhã a descer a dois anos e a subir a cinco e dez anos em relação a terça-feira.

Cerca das 08:40 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a subir para 1,726%, contra 1,724% na terça-feira.

No prazo de cinco anos, os juros também estavam a avançar, para 0,536%, contra 0,534% na sessão anterior.

Em sentido contrário, os juros a dois anos estavam a descer, para -0,186%, contra -0,174% na véspera.

Os juros da Irlanda subiam a cinco anos e desciam a dez anos, enquanto os da Grécia e Itália subiam em todos os prazos. Os juros de Espanha recuavam em todos os prazos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:40:

2 anos... 5 anos... 10 anos

Portugal

23/01......-0,186....0,536......1,726

22/01......-0,174....0,534......1,724

Grécia

23/01.......n.disp...2,954......4,113

22/01.......n.disp...2,949......4,111

Irlanda

23/01......n.disp....0,114......0,966

22/01......n.disp....0,113......0,968

Itália

23/01.......0,333....1,617......2,748

22/01.......0,323....1,604......2,739

Espanha

23/01......-0,246....0,273......1,330

22/01......-0,241....0,279......1,332

Fonte: Bloomberg Valores de 'bid' (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.