Jornalista moçambicano Hélio Filimone reclama combate à corrupção no país

O jornalista moçambicano Hélio Filimone lança segunda-feira em Maputo o livro "A Grande Corrupção", com apelos para o combate a este flagelo, "que está no centro das preocupações da sociedade moçambicana".

A obra, com 272 páginas, é prefaciada pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e conta com o posfácio da diretora do Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC), Ana Gêmo Bié.

Hélio Filimone contou à Lusa que o livro contém depoimentos de governantes, juízes, procuradores, polícias e políticos sobre os malefícios da corrupção e a necessidade de combate a este mal.

O livro descreve as várias formas de roubo de dinheiro no Estado e pormenoriza as causas e manifestações da corrupção.

As consequências económicas e sociais da corrupção e os mecanismos de combate a este flagelo são também dissecados no livro "A Grande Corrupção".

"O livro aponta as vias legais que os cidadãos podem usar para denunciar casos de corrupção no país e especifica números de fundos desviados nos últimos dez anos pelos corruptos ao erário público e os montantes recuperados pela Procuradoria-Geral da República, através do Gabinete Central de Combate à Corrupção", disse Hélio Filimone.

Hélio Filimone considerou oportuno o debate sobre o tema, tendo em conta que está no centro das preocupações da sociedade moçambicana por força do caso das chamadas "dívidas ocultas".

O livro fala igualmente do número de processos de corrupção tramitados, pessoas detidas e julgadas por envolvimento em atos de corrupção.

De entre os casos mediáticos de corrupção abordados no livro, o autor escolheu o "Caso FDA", em que relata os meandros do rombo de 170 milhões de meticais (cerca de 2,4 milhões de euros), que defraudou o Fundo de Desenvolvimento Agrário (FDA) e cuja reportagem valeu a Hélio Filimone o Prémio de Liberdade de Imprensa MISA 2018.

Hélio Filimone é autor de vários livros sobre reportagens que fez na sua qualidade de jornalista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.