Itália declara estado de emergência em várias regiões devido ao mau tempo

O Conselho de Ministros italiano declarou hoje estado de emergência em várias regiões e duas províncias autónomas e decidiu mobilizar cerca de 250 milhões de euros para responder aos danos provocados pelo mau tempo, que já causou 30 mortos.

O Conselho de Ministros decidiu declarar o estado de emergência nas regiões de Calabria, Emilia-Romagna, Friuli-Venezia-Giulia, Lazio, Liguria, Lombardia, Sardenha, Sicília, Toscana e Veneto e nas províncias autónomas de Trento e Bolzano.

Além disso, concordou em mobilizar de imediato 53,5 milhões de euros para fazer frente às primeiras operações, enquanto nos próximos dias é esperado que se somem 200 milhões de euros, o que ajudará a resolver a situação, enquanto se aguarda a quantificação final dos danos.

A forte tempestade que afetou a Itália desde 02 de outubro já causou 30 mortes.

As autoridades italianas descobriram nas últimas horas o corpo de um médico que desapareceu em Corleone, na província de Palermo, após cinco dias de buscas.

O ministro da Infraestruturas de Itália, Danilo Toninelli, quantificou recentemente os danos em 3.000 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.