Israel diz ter atacado alvos militares iranianos na Síria

O exército israelita anunciou hoje ter atacado alvos militares iranianos na Síria e alertaram Damasco para não retaliarem o ataque.

Os israelitas confirmaram terem realizado um ataque, no domingo, perto do aeroporto internacional de Damasco.

Até agora, Israel tinha se abstido, quase sempre, em fazer declarações públicas sobre operações militares na vizinha Síria.

Na declaração emitida por Israel pode ler-se que o país "atacou alvos iranianos no território sírio", advertido ainda as forças armadas sírias "contra qualquer tentativa de prejudicar as [suas] forças ou o território israelita".

No domingo, exército de Israel divulgou que um 'rocket' disparado do território sírio foi intercetado na zona dos montes Golã sob controlo de Telavive, momentos depois do anúncio de raides israelitas na zona sul da Síria.

"Um 'rocket' lançado para norte dos montes Golã foi intercetado pelo sistema de defesa aérea 'Iron Dome'", indicou o exército israelita, num comunicado.

Nos últimos anos, aviões de combate israelitas têm atingido, de forma frequente, alvos do Irão e do seu aliado Hezbollah no território sírio.

Encarados por Israel como grandes inimigos, Teerão e o Hezbollah têm ajudado o regime sírio liderado por Bashar al-Assad a combater os rebeldes e os 'jihadistas' num conflito que assola a Síria desde 2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.