Intercâmbio Norte de Portugal/Galiza envolve 135 universitários a partir de fevereiro

O programa Iacobus, de intercâmbio de académicos entre o Norte de Portugal e a Galiza, vai começar em fevereiro com 135 beneficiários, entre docentes, investigadores e pessoal administrativo de instituições de ensino superior da eurorregião.

De acordo com a informação da Comissão de Cooperação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) a que a Lusa teve hoje acesso, a quinta edição daquela iniciativa, que se prolonga até junho, registou um total de 295 candidaturas. Daquelas a comissão de avaliação do Iacobus "selecionou 135, 65 de universidades portuguesas e 70 oriundas de universidades galegas".

Com um financiamento avaliado em quase 150 mil euros, este programa é financiado pelo Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha - Portugal (POCTEP) e coordenado regionalmente pela CCDR-N.

As áreas de trabalho dos beneficiários incluem as ciências da saúde, humanidades, engenharias, ciências económicas e empresariais, ciências sociais, tecnologias da informação e comunicação, ciências ambientais, recursos naturais e direito, entre outras.

O período de intercâmbio da quinta edição vai decorrer entre 1 de fevereiro e 30 de junho.

Podem concorrer ao 'Iacobus' académicos que pertençam aos quadros das Universidades do Porto, Minho, Trás-os-Montes e Alto Douro, da Universidade Católica Portuguesa e dos Institutos Politécnicos do Porto, Bragança, Viana do Castelo e Cávado, para além das três universidades galegas de Vigo, Corunha e Santiago de Compostela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.