Inter empata com Sassuolo e pode ficar mais longe de Juventus e Nápoles

O Inter de Milão cedeu hoje em casa um inesperado empate 0-0 com o Sassuolo, que o pode deixar ainda mais distante da líder Juventus e do perseguidor Nápoles, à passagem da 20.ª jornada da Liga italiana de futebol.

O conjunto 'nerazzurri' foi impotente para vencer um adversário que não ganha há sete jogos e com isso soma agora 40 pontos, estando a quatro do Nápoles, que no domingo recebe a Lazio, e a 13 da Juventus, que na segunda-feira recebe o Chievo.

A 'vecchia signora', de Cristiano Ronaldo e João Cancelo, venceu a Supertaça italiana, na quarta-feira, ao derrotar o AC Milan no Dubai, com um golo solitário do avançado português.

O Sassuolo igualou provisoriamente a Fiorentina no 11.º posto com 26 pontos, neste regresso do campeonato após a paragem de inverno.

Com Bruno Alves no 'onze' inicial, o Parma superiorizou-se por 2-1 em casa da Udinese, igualando provisoriamente a Atalanta no oitavo lugar, com 28 pontos.

Inglese (11), de penalti, e o brasileiro Gervinho (68) construirão o triunfo, que o tento solitário de Okaka (50) não bastou para evitar.

Os romanos estiveram a liderar por 2-0, com golos de Zaniolo, aos 15 minutos, e Kolarov, de grande penalidade, aos 34, mas o Torino ainda empatou na segunda parte, por Rincon, aos 51, e Ansaldi, aos 67.

Valeu à Roma, que subiu ao quarto lugar e fica à espera do que faz nesta 20.ª jornada a Lazio (quinta) e o AC Milan (sexto), o golo de El Shaarawy, aos 73 minutos, num jogo que se manteve em aberto até final.

A Roma encontrará nos 'oitavos' da 'Champions' o campeão português FC Porto, com a primeira mão agendada para 12 de fevereiro no Olímpico de Roma, e a segunda em 06 de março, no Estádio do Dragão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.