Instituto de Desminagem angolano desativou quatro engenhos na Lunda Sul desde janeiro

O Instituto Nacional de Desminagem (INAD) de Angola desativou, de janeiro a agosto deste ano, quatro minas anti-pessoal na província angolana da Lunda Sul, continuando com a campanha de sensibilização neste domínio junto da população local.

Segundo informou hoje o chefe de Estatísticas do INAD na Lunda Sul, Rui Sacheleca, a campanha, no quadro do programa de prevenção de acidentes com todo o género de minas, permitiu chegar a mais de 3.800 habitantes locais em três localidades do município de Saurimo, na maioria em zonas agrícolas.

De 2002 a 2016, o INAD desminou naquela província do leste, uma das mais afetadas pela guerra civil angolana, uma superfície de 52,1 milhões de metros quadrados, extraindo 1.554 minas anti-pessoal, 123 anti-tanque e 1.583 engenhos explosivos não detonados.

A 06 deste mês, um relatório da International Campaign to Ban Landmines (ICBL) indicou que Angola é um dos 11 países que ainda têm mais de 100 quilómetros quadrados de áreas com minas terrestres.

Os engenhos explosivos foram colocados sobretudo durante a guerra civil de 27 anos, que acabou em 2002, e muitos continuam ativos, sendo responsáveis por milhares de mortes e ferimentos, incluindo mutilações.

Segundo dados de 2016, Angola tinha um total de 1.858 áreas livres de minas e 1.435 por limpar, contando apenas com apoio financeiro dos Estados Unidos, Japão, Suíça e União Europeia (UE).

No mesmo dia, o Governo britânico anunciou a concessão de mais 46 milhões de libras (51 milhões de euros) para a remoção de minas terrestres em nove países, incluindo Angola, através da introdução de nova tecnologia e de formação às populações locais.

"São muito boas notícias para Angola, porque nos últimos anos o financiamento tem vindo a baixar. Chegámos a ter 1.200 pessoas a trabalhar na remoção das minas terrestres, mas atualmente só temos 200", afirmou Paul McCann, diretor de comunicações da Halo Trust.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.