Inquérito revela que portugueses ainda reconhecem poucos sintomas da insuficiência cardíaca

Lisboa, 23 abr 2019 (Lusa) -- Mais de metade dos inquiridos num estudo acredita que a taxa de sobrevivência da insuficiência cardíaca é alta e apenas 15% reconhece o inchaço das pernas como um dos principais sintomas desta doença, que afeta meio milhão de portugueses.

O inquérito os "Portugueses e a insuficiência cardíaca", integrado na campanha anual da Fundação Portuguesa e de Cardiologia "Maio, mês do coração", que será apresentada hoje, decorreu em março e envolveu 1.012 indivíduos.

Apesar de a maioria dos inquiridos (89%) considerarem que esta doença ameaça a vida das pessoas, apenas 51% consideram que a taxa de sobrevivência é alta ou, pelo menos, não tão baixa como em casos oncológicos.

Mais de sete em cada 10 inquiridos (71%) disseram saber que se trata de uma doença cujo número de casos vai aumentar nos próximos anos e 63% afirmaram que é uma doença que afeta tanto novos como mais velhos, mas apenas 19% sabia que a taxa de sobrevivência é baixa e 29% que a taxa é semelhante à dos cancros mais graves.

A grande maioria (83%) disse que na insuficiência cardíaca ocorrem muitas mortes prematuras, porque os doentes não valorizam os sintomas da doença, que são principalmente falta de ar, cansaço fácil, edema nas pernas e perda de peso.

Segundo o estudo, 72% associa o cansaço fácil à insuficiência cardíaca, 69% a falta de ar, mas apenas 15% reconhece o edema das pernas e 5% a perda de peso.

Também existe desconhecimento face a aspetos "mais técnicos" da doença e respetivo tratamento, como por exemplo são mais os que consideram que não deve haver restrição no consumo de água (45%) do que os que entendem que deve ser bebida moderadamente.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), Manuel Carrageta, afirmou que "os portugueses ainda reconhecem pouco os sintomas da insuficiência cardíaca" e a gravidade desta doença, uma "epidemia que vai aumentar" e que atinge 15 milhões de europeus.

O cardiologista sublinhou que o desconhecimento que ainda existe sobre esta doença mostra que é "necessário aumentar a literacia das pessoas em relação ao tema".

Nesse sentido, defendeu, as campanhas são "extremamente importantes" para sensibilizar a população para esta doença "ainda um pouco esquecida, subvalorizada", mas que é "uma das grandes epidemias do século pelo que deve ser considerada uma prioridade nacional".

"A insuficiência cardíaca deve ser considerada uma prioridade nacional com consultas de especialidade em articulação com o médico de família, porque é a única maneira de ter uma resposta capaz para uma patologia que está a aumentar e que mata muito", defendeu Manuel Carrageta.

A campanha que é hoje lançada pretende passar a mensagem de que viver com insuficiência cardíaca é como estar numa prisão, porque o doente está "manietado pelos sintomas".

O objetivo da iniciativa é chamar a atenção para esta situação e explicar que, através do tratamento e da mudança de estilo de vida, é possível libertar o doente, disse, lamentando que as pessoas ainda recorram tardiamente aos serviços de saúde.

Isto acontece porque é uma doença que também está associada ao envelhecimento e as pessoas atribuem o cansaço à idade, não recorrendo ao médico e acabando por morrer, justificou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?