Iniciada a segunda fase da extinção da combustão nas antigas minas do Pejão

A segunda fase da extinção dos focos de combustão nas escombreiras das antigas minas do Pejão, em Castelo de Paiva, foi hoje iniciada para concluir os trabalhos que arrancaram a 06 de fevereiro, anunciou hoje a empresa responsável.

Desta vez, as operações da Empresa de Desenvolvimento Mineiro vão incidir no antigo campo do Pejão e na Serrinha, duas das quatro zonas mais problemáticas, adotando-se a metodologia que teve êxito na primeira fase da operação.

A combustão das escombreiras foi provocada pelos incêndios florestais de outubro e provou a emissão de grandes quantidades de gases para a atmosfera, o que preocupou a população local e os autarcas.

Segundo um comunicado enviado à Lusa, os trabalhos já realizados, que tiveram o apoio financeiro dos ministérios da Economia e do Ambiente, permitiram a extinção dos focos de combustão nas zonas da serração e do refeitório.

A empresa assinala que as condições operacionais "revelaram-se mais exigentes do que o previsto", envolvendo a mobilização de cerca de 110.000 metros cúbicos de materiais em combustão, "praticamente o dobro do volume estimado na fase preliminar de avaliação".

Esta situação, destaca-se também no comunicado, "obrigou à reprogramação da ação prevista para os quatro focos de combustão em duas fases sequenciais".

A primeira fase terminou a 15 de março, verificando-se que os focos intervencionados se encontram "totalmente extintos e sem emissões atmosféricas".

"As medições da qualidade do ar após a cessação dos trabalhos relativos à primeira fase permitem comprovar que as soluções implementadas se revelaram ajustadas ao objetivo de extinção dos focos de combustão intervencionados", destaca a entidade responsável pelas operações.

A Empresa de Desenvolvimento Mineiro acrescenta que, para a implementação deste processo, "foi crucial a colaboração institucional da Câmara de Castelo de Paiva e dos ministérios da Economia e do Ambiente, bem como da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e do Fundo Ambiental".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.