Iniciada a segunda fase da extinção da combustão nas antigas minas do Pejão

A segunda fase da extinção dos focos de combustão nas escombreiras das antigas minas do Pejão, em Castelo de Paiva, foi hoje iniciada para concluir os trabalhos que arrancaram a 06 de fevereiro, anunciou hoje a empresa responsável.

Desta vez, as operações da Empresa de Desenvolvimento Mineiro vão incidir no antigo campo do Pejão e na Serrinha, duas das quatro zonas mais problemáticas, adotando-se a metodologia que teve êxito na primeira fase da operação.

A combustão das escombreiras foi provocada pelos incêndios florestais de outubro e provou a emissão de grandes quantidades de gases para a atmosfera, o que preocupou a população local e os autarcas.

Segundo um comunicado enviado à Lusa, os trabalhos já realizados, que tiveram o apoio financeiro dos ministérios da Economia e do Ambiente, permitiram a extinção dos focos de combustão nas zonas da serração e do refeitório.

A empresa assinala que as condições operacionais "revelaram-se mais exigentes do que o previsto", envolvendo a mobilização de cerca de 110.000 metros cúbicos de materiais em combustão, "praticamente o dobro do volume estimado na fase preliminar de avaliação".

Esta situação, destaca-se também no comunicado, "obrigou à reprogramação da ação prevista para os quatro focos de combustão em duas fases sequenciais".

A primeira fase terminou a 15 de março, verificando-se que os focos intervencionados se encontram "totalmente extintos e sem emissões atmosféricas".

"As medições da qualidade do ar após a cessação dos trabalhos relativos à primeira fase permitem comprovar que as soluções implementadas se revelaram ajustadas ao objetivo de extinção dos focos de combustão intervencionados", destaca a entidade responsável pelas operações.

A Empresa de Desenvolvimento Mineiro acrescenta que, para a implementação deste processo, "foi crucial a colaboração institucional da Câmara de Castelo de Paiva e dos ministérios da Economia e do Ambiente, bem como da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e do Fundo Ambiental".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.