INESC TEC do Porto em projeto europeu para inovar a indústria transformadora

O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), no Porto, foi selecionado pelo Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT) para integrar um projeto que visa "inovar a indústria transformadora", foi hoje anunciado.

"É um projeto de grande dimensão e bastante complexo. Na realidade, este projeto pretende, essencialmente, promover a dinamização de um ecossistema de inovação a nível europeu, neste caso, na área da indústria transformadora", adiantou à Lusa, Luís Carneiro, o administrador executivo do INESC TEC.

O INESC TEC, a par da Sonae, são as únicas entidades portuguesas que vão integrar, a partir de janeiro, o projeto 'EIT Manufacturing', iniciativa que conta com a cooperação de 50 empresas, universidades e centros de investigação, e com um financiamento de 325 milhões de euros.

"Este é um projeto que se constitui para um horizonte temporal" até 14 anos e, no fim, deve ser autossustentável, esclareceu Luís Carneiro.

A iniciativa, que envolve a criação de uma associação europeia com sede em Paris, França, vai ainda alavancar cinco centros de inovação - Innovation Hubs - em Viena (Áustria), Bilbau (Espanha), Milão (Itália), Darmstadt (Alemanha) e Gotemburgo (Suécia) que visam o "desenvolvimento regional".

"Se uma empresa portuguesa precisar de ajuda para desenvolver um novo produto ou melhorar um processo, o seu ponto de acesso e ligação será o Innovation Hub em Bilbau. O objetivo passa, depois, por estabelecer o contacto com quem na Europa tem a competência adequada para resolver o problema", informou.

Segundo Luís Carneiro, o projeto define-se num "triângulo", tendo por base três parâmetros: educação, inovação e promoção de novos negócios.

Os objetivos do 'EIT Manufacturing' são a capacitação e formação de 50 mil pessoas, o apoio a mil empresas e 'startups' (empresas de base tecnológica em fase de desenvolvimento), e o lançamento de 360 novos produtos e serviços no mercado.

"O propósito passa por tornar as empresas europeias mais competitivas, com capacidade de criar emprego, bens e produtos. Mas que o emprego seja mais qualificado e que a produção seja mais amiga do ambiente", frisou o administrador.

Para Luís Carneiro, esta iniciativa é "um importante instrumento" para o INESC TEC atingir a sua missão, que pretende "aumentar o impacto da inovação junto das empresas nacionais, mas também internacionais".

"Vamos conseguir dinamizar e apoiar um conjunto de atividades que são nucleares no nosso instituto, que tem a preocupação de participar nas redes europeias mais ativas no domínio da inovação. E vamos também procurar envolver outras entidades nacionais e torná-las mais ativas", acrescentou.

O projeto 'EIT Manufacturing' desenvolve-se no âmbito do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia, um órgão independente da Comissão Europeia que reúne instituições de ensino superior, centros de pesquisa e empresas com o intuito de formar 'Comunidades de Inovação'.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.