Indústria de panificação do Norte cria marca para diferenciar pão tradicional

O presidente da Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte (AIPAN) anunciou hoje a criação de uma marca comum às cerca de 3.800 unidades industriais do setor existente a norte de Aveiro.

Segundo António Fontes, a criação de uma marca comum da panificação tradicional da região Norte visa torná-la "ainda mais distintiva" e reforçar as "garantias nutricionais e de qualidade" que se dá ao consumidor com o pão "feito ao gosto português e de acordo com receituários ancestrais".

"A criação da marca vinha sendo equacionada no seio da associação, mas a decisão só foi tomada após o Congresso Internacional da Panificação Tradicional Portuguesa", que se realizou na quarta-feira, na Maia, disse o dirigente da AIPAN.

António Fontes frisou o "eco positivo" que a proposta de criação de uma "marca comum forte" suscitou junto do meio milhar de congressistas e das outras duas associações empresariais que apoiaram a realização do evento, a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares e a Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares de Lisboa.

A logomarca escolhida inclui a representação gráfica de um forno tradicional e de um pé de trigo estilizado, acompanhada do 'slogan' "Em nome do pão".

Os objetivos do projeto passam pelo "reconhecimento da tradição como fator distintivo" da oferta do setor, o reforço da sua "capacidade de inovação" e a "definição das tendências de consumo".

Segundo António Fontes, a articulação entre as três associações representativas da indústria portuguesa de panificação "é crescente" e está a "dar frutos", referindo como exemplo dessa sintonia o acordo firmado com o Ministério da Saúde, no princípio do ano, para reduzir a quantidade de sal no pão.

Nos termos desse acordo, como realçou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde no encerramento do Congresso Internacional da Panificação Tradicional Portuguesa, os fabricantes que, voluntariamente e antes de 2021, baixem o teor de sal no pão, do atual limite máximo obrigatório (1,4 gramas) para um grama apenas por cada 100 gramas de produto final, vão poder exibir um "selo de qualidade", oficialmente designado por "Selo de excelência: menos sal, mesmo sabor".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.