Indústria de panificação do Norte cria marca para diferenciar pão tradicional

O presidente da Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte (AIPAN) anunciou hoje a criação de uma marca comum às cerca de 3.800 unidades industriais do setor existente a norte de Aveiro.

Segundo António Fontes, a criação de uma marca comum da panificação tradicional da região Norte visa torná-la "ainda mais distintiva" e reforçar as "garantias nutricionais e de qualidade" que se dá ao consumidor com o pão "feito ao gosto português e de acordo com receituários ancestrais".

"A criação da marca vinha sendo equacionada no seio da associação, mas a decisão só foi tomada após o Congresso Internacional da Panificação Tradicional Portuguesa", que se realizou na quarta-feira, na Maia, disse o dirigente da AIPAN.

António Fontes frisou o "eco positivo" que a proposta de criação de uma "marca comum forte" suscitou junto do meio milhar de congressistas e das outras duas associações empresariais que apoiaram a realização do evento, a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares e a Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares de Lisboa.

A logomarca escolhida inclui a representação gráfica de um forno tradicional e de um pé de trigo estilizado, acompanhada do 'slogan' "Em nome do pão".

Os objetivos do projeto passam pelo "reconhecimento da tradição como fator distintivo" da oferta do setor, o reforço da sua "capacidade de inovação" e a "definição das tendências de consumo".

Segundo António Fontes, a articulação entre as três associações representativas da indústria portuguesa de panificação "é crescente" e está a "dar frutos", referindo como exemplo dessa sintonia o acordo firmado com o Ministério da Saúde, no princípio do ano, para reduzir a quantidade de sal no pão.

Nos termos desse acordo, como realçou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde no encerramento do Congresso Internacional da Panificação Tradicional Portuguesa, os fabricantes que, voluntariamente e antes de 2021, baixem o teor de sal no pão, do atual limite máximo obrigatório (1,4 gramas) para um grama apenas por cada 100 gramas de produto final, vão poder exibir um "selo de qualidade", oficialmente designado por "Selo de excelência: menos sal, mesmo sabor".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.