Indústria da panificação aposta em estratégia de promoção da padaria tradicional

A indústria nacional de panificação vai apostar numa estratégia de promoção da padaria tradicional, de forma a diferenciar-se dos produtos embalados e a valorizar a importância do pão na dieta, revelou hoje a AIPAN.

Em comunicado, o presidente da Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte (AIPAN), António Fontes, disse que a estratégia, denominada "o futuro da tradição", visa o "reconhecimento da tradição como fator distintivo" da oferta do setor, o reforço da "capacidade de inovação", bem como a "definição das tendências de consumo".

No âmbito do projeto, a AIPAN promove, no Porto, na próxima quarta-feira, o Congresso Internacional da Panificação Tradicional Portuguesa, em parceria com a Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares e a Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares de Lisboa.

O encontro contará com a participação de empresários, investigadores, mestres padeiros, médicos e nutricionistas.

"Com as alterações climáticas a condicionar, cada vez mais, a atividade agrícola, a diminuição acentuada das áreas de cultivo de cereais em Portugal, o crescente aumento das importações por parte das empresas moageiras e, principalmente, a entrada das principais marcas da moderna distribuição alimentar no negócio da panificação [...], o fabrico artesanal e tradicional veio realçar as padarias de proximidade, recentrar a importância do pão numa alimentação saudável e elevar a 'gourmet' o produto final fabricado ao gosto português", acrescentou António Fontes.

Neste sentido, a indústria portuguesa de panificação assinou um protocolo, no início do ano, que atribui um selo de qualidade aos fabricantes que antes de 2021 baixem, de forma voluntária, o teor de sal no pão do atual limite máximo obrigatório (1,4 gramas) para uma grama de sal por cada 100 gramas de pão.

O responsável da AIPAN notou ainda que nas cerca de 10.260 unidades de panificação a laborar em Portugal foram cozidas, em 2016, perto de 425 mil toneladas de pão que tiveram como principal destino o mercado interno.

Porém, do total, foram vendidas 411 mil toneladas, mais 7,1% do que em 2015.

Já no que se refere às exportações, Paulo Fontes diz que estão a crescer, mas "pouco passarão dos 10% da produção total".

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2016, o pão foi o principal produto alimentar vendido em Portugal, gerando receitas de 585.197 euros, o que representa 5,6% das vendas totais da indústria alimentar nacional.

No total, o setor da panificação emprega cerca de 120 mil pessoas e tem a laborar mais de dez mil unidades industriais, sendo a grande maioria pequenas e microempresas de base familiar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.