Incêndios: Vila Nova de Poiares começa a recuperar lentamente

As feridas do incêndio de 15 de outubro de 2017 em Vila Nova de Poiares, no distrito de Coimbra, ainda continuam à vista e algumas delas ainda não vão estar "saradas" neste verão, segundo o presidente do município.

Em declarações à agência Lusa, o autarca João Miguel Henriques salienta que o concelho sofreu prejuízos em equipamentos e infraestruturas municipais na ordem dos 700 mil euros, dos quais ainda estão a ser ultimados os projetos de reabilitação para se candidatarem aos instrumentos financeiros disponibilizados pelo Governo.

"Desde a sinalética, aos contentores do lixo e marcação de estradas, até ao complexo de piscinas da Fraga e parque de merendas das Medas, muitos equipamentos e infraestruturas foram afetadas", refere o presidente da Câmara.

Neste verão, sublinhou, ainda não vai ser possível ter em funcionamento pleno o complexo das piscinas naturais da Fraga, junto à Estrada Nacional 17, que registou um prejuízo na ordem dos 250 mil euros.

O complexo de lazer da Fraga era constituído por seis piscinas naturais e espaços de recreio e lazer, zonas de sombra, bar de apoio e esplanada, que arderam completamente, e estava em funcionamento desde o verão de 2013.

"No próximo verão não é possível funcionar com as mesmas condições. A expectativa é a de que em 2019 funcione com os novos equipamentos", disse o autarca.

Segundo João Miguel Henriques, houve 60 casas destruídas pelo fogo, a maioria delas devolutas ou de segunda habitação, que não têm, para já, direito a apoios do Governo, embora 10 fossem de primeira habitação.

Neste momento, cinco casas com prejuízos abaixo dos 5.000 euros estão recuperadas, faltando aquelas que estão acima dos 25 mil euros.

O fogo de 15 de outubro, que consumiu cerca de 70% do município de Vila Nova de Poiares, atingiu também diversas explorações agrícolas e empresas do setor florestal, que perderam viaturas e maquinaria pesada, além da matéria-prima, que ainda não foram apoiadas.

De acordo com o presidente da Câmara, "seguramente" foram apresentadas mais de uma centena de candidaturas pelos pequenos agricultores do concelho, cujos apoios começaram a ser pagos na quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.