Incêndios: UGT exige recuperação das áreas afetadas pelos incêndios de 2017 ATUALIZADA

A UGT exigiu hoje uma política integrada de coesão social e territorial que ajude à recuperação das áreas afetadas pelos incêndios em 2017, anunciando que vai comemorar o Dia do Trabalhador em Figueiró dos Vinhos.

Num encontro com os jornalistas, em Tondela, distrito de Viseu, o secretário da União Geral de Trabalhadores (UGT), Carlos Silva, lembrou a necessidade de "dar visibilidade" e criar emprego no interior de Portugal, designadamente nos municípios devastados pelos fogos florestais.

Para a UGT, importa promover a "recuperação do tecido económico e social das regiões afetadas pelos incêndios" e apostar numa "política integrada de coesão social e territorial".

No final de uma reunião do secretariado nacional da UGT, no Auditório Municipal de Tondela, um dos concelhos mais afetados pelos incêndios de 15 e 16 de outubro de 2017, Carlos Silva anunciou que a confederação sindical vai assinalar o 1º de Maio em Figueiró dos Vinhos, município do distrito de Leiria atingido pelo fogo de 17 de junho.

"A realização do 1.º de Maio em Figueiró dos Vinhos é certamente um momento alto de expressão da nossa solidariedade, apoio e intervenção", disse Carlos Silva.

A realização, na cidade de Tondela, da reunião do secretariado nacional da confederação "é mais um importante momento em que a UGT deixa clara a prioridade dada a estes temas e a aposta que fazemos na aproximação às pessoas e aos seus reais problemas, envolvendo e chamando para este desafio o poder político e as organizações da sociedade civil", segundo uma resolução aprovada por unanimidade.

A UGT manifestou-se "solidária com os seus sindicatos da administração pública na defesa, por todas as formas que considerem necessárias, de todas as reivindicações que contribuam para a melhoria real das condições de trabalho e de vida dos funcionários públicos, a correção das injustiças e sacrifícios que lhes foram impostos nos anos de austeridade".

Carlos Silva anunciou que a UGT vai participar nas greves dos setores da saúde e da educação, entre os dias 02 e 04 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.