Incêndios: Produtores de leite enviam camiões com feno para Mação

Dois camiões de rolos e fardos de palha, oferecidas por produtores de leite, partiram hoje de manhã de Odemira, distrito de Beja, com destino a Mação, Santarém, para ajudar na alimentação dos animais afetados pelos incêndios.

Em comunicado, a Associação de Produtores de Leite de Portugal (APROLEP) adiantou que além destes dois camiões, vai ser carregado ao final da manhã de hoje em Arcos, Vila do Conde, um terceiro camião para Mação, com dois terços de rolos e fardos de feno oferecidos por produtores da Póvoa de Varzim e Barcelos e um terço do camião com rolos oferecidos pela Associação Galgueira e Lebreira do Norte.

"Em Mação e nos concelhos vizinhos mais afetados pelo fogo, nomeadamente Proença-a-Nova, a ajuda será distribuída pela Acripinhal, Associação de Criadores de Ruminantes do Pinhal, em colaboração com as autarquias locais. Temos desde já disponível a oferta de mais três camiões completos a partir do Montijo, Vila do Conde e Ovar, assim que seja necessário. Registamos também a ajuda dos transportadores após o apelo da Antram [Associação Nacional de Transportes Públicos Rodóviarios de Mercadorias] e das autarquias", é referido.

A APROLEP anunciou também que desde meados de junho foram oferecidas 210 toneladas de feno (transportadas em 11 camiões), oferecidas por produtores de leite, agricultores e associações para alimentar os animais das regiões afetadas por incêndios.

Os três primeiros camiões de rolos de fenosilagem, com 20 toneladas cada, tiveram como destino Pedrógão Grande (Vila Facaia), Góis e Pampilhosa da Serra, nos distritos de Leiria e Coimbra.

Dois grandes incêndios deflagraram na região Centro no dia 17 de junho e provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos.

A APROLEP avançou também na nota que a associação tem estado a receber muitas ofertas e, por isso foram enviados mais dois camiões para a Guarda.

"O último camião da empresa 'Transportes Guardense' foi carregado esta segunda-feira na Torreira (Murtosa) e em Vagos. No destino a ajuda alimentar para os animais deste quinto camião será distribuído pela Acriguarda -- Associação de Criadores de Ruminantes do Concelho da Guarda", é referido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.