Incêndios: Ministério da Agricultura vai disponibilizar alimentação para animais

O Ministério da Agricultura anunciou hoje que vai disponibilizar alimentação para os animais afetados pelo incêndio que lavra há sete dias na serra de Monchique, no Algarve, aguardando pedidos de apoios dos produtores afetados.

Em comunicado, o Ministério da Agricultura avança já ter disponível, através da Companhia das Lezírias, alimentação animal para suprir as necessidades que venham a ser identificadas, nomeadamente aos animais retirados das zonas de incêndio, que se encontram recolhidos em Monchique.

De acordo com o documento, foi já entregue pela Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve (DRAPAL) e pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), na quarta-feira, e após um pedido da Câmara Municipal, uma carga de palha fornecida pela Quinta do Freixo e ração para ovinos.

Os técnicos de ambas das direções regionais continuam no terreno "em estreita articulação com os serviços de Proteção Civil e com a Veterinária Municipal de Monchique, procedendo à identificação de situações que careçam de apoio para evacuação, tratamento ou alimentação de animais nas zonas de incêndio".

Ainda de acordo com o comunicado, os serviços da DRAPAL aguardam que sejam levantadas as restrições à circulação por parte dos serviços de Proteção Civil, para poder dar início ao levantamento dos prejuízos provocados pelo incêndio em explorações agrícolas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.