Incêndios: Gouveia planta 500 árvores junto da nascente do rio Mondego, na Serra da Estrela

Quinhentas árvores vão ser plantadas no concelho de Gouveia, junto da nascente do rio Mondego, na Serra da Estrela, durante uma ação de reflorestação agendada para o dia 17 de fevereiro, foi hoje anunciado.

A iniciativa, aberta à participação de voluntários, será realizada pelo município de Gouveia e pela Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE).

Segundo a organização, a ação de plantação de cerca de 500 árvores autóctones enquadra-se no projeto "Verde Puro" e será desenvolvida na zona do Mondeguinho, junto da nascente do rio Mondego, com a colaboração do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e dos Baldios de Mangualde da Serra.

O ponto de encontro dos participantes está agendado para as 09:00 do dia 17 de fevereiro, junto ao Paços do Concelho de Gouveia, e os trabalhos terão início pelas 10:00.

O município de Gouveia disponibiliza alimentação, transporte e seguro de participação na atividade, devendo os voluntários efetuar uma inscrição prévia junto do Posto de Turismo local.

A organização aconselha que no dia da atividade os participantes utilizem vestuário adequado, sendo recomendado o uso de botas e agasalho impermeável e, caso possuam, luvas de trabalho.

A iniciativa "Verde Puro" foi lançada pela CIM-BSE em 2018, na BTL - Bolsa de Turismo de Lisboa, e replicada na FIT - Feira Ibérica de Turismo, na Guarda, lembra a Câmara Municipal de Gouveia em comunicado.

A campanha "resultou na angariação de mais de quatro mil padrinhos e madrinhas, um por cada árvore, que agora são plantadas nos municípios mais afetados pelos incêndios de outubro de 2017, integrados na CIM-BSE", acrescenta a nota.

A CIM-BSE tem sede na cidade da Guarda e é constituída por 15 municípios: 12 do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e por três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.