Incêndio em armazém em Santo Tirso provoca um ferido ligeiro

O incêndio que na quarta-feira à noite consumiu parte de uma fábrica de produtos de higiene e limpeza em Santo Tirso causou ferimentos ligeiros num bombeiro, que foi conduzido ao Centro Hospitalar do Médio Ave.

Segundo o adjunto do Comandante dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, Tiago Miranda, o fogo foi "dado como dominado cerca das 00:30".

Estiveram no combate às chamas nove corporações, com 31 veículos e 93 operacionais, acrescentou Tiago Miranda, tendo o único bombeiro ferido sofrido "ferimentos ligeiros".

A origem ainda "é indeterminada", disse o bombeiro sobre um incêndio que "começou dentro do armazém e chegou também à parte florestal que circunda a zona industrial e está também extinta".

Na fábrica trabalham 15 pessoas, tendo os proprietários acorrido ao local para acompanhar o esforço dos bombeiros e prestar informações, mas escusando-se a falar à comunicação social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.