Incêndio em armazém em Santo Tirso provoca um ferido ligeiro

O incêndio que na quarta-feira à noite consumiu parte de uma fábrica de produtos de higiene e limpeza em Santo Tirso causou ferimentos ligeiros num bombeiro, que foi conduzido ao Centro Hospitalar do Médio Ave.

Segundo o adjunto do Comandante dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, Tiago Miranda, o fogo foi "dado como dominado cerca das 00:30".

Estiveram no combate às chamas nove corporações, com 31 veículos e 93 operacionais, acrescentou Tiago Miranda, tendo o único bombeiro ferido sofrido "ferimentos ligeiros".

A origem ainda "é indeterminada", disse o bombeiro sobre um incêndio que "começou dentro do armazém e chegou também à parte florestal que circunda a zona industrial e está também extinta".

Na fábrica trabalham 15 pessoas, tendo os proprietários acorrido ao local para acompanhar o esforço dos bombeiros e prestar informações, mas escusando-se a falar à comunicação social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.