Idai: Moçambique adia início do recenseamento eleitoral de 01 para 15 de abril

O Governo moçambicano adiou hoje a data de início do recenseamento eleitoral de 01 para 15 de abril, devido às consequências da passagem do ciclone Idai pelo centro do país, anunciou hoje a porta-voz do Conselho de Ministros.

"O Governo aprovou o decreto que altera o período de recenseamento eleitoral", referiu Ana Comoana.

Em vez de decorrer de 01 de abril a 15 de maio, o registo dos eleitores para as eleições gerais deste ano vai ser feito entre 15 de abril e 30 de maio.

As eleições gerais estão marcadas para 15 de outubro.

Pela primeira vez, além de escolherem o parlamento e o Presidente da República, os moçambicanos vão eleger os governadores das 11 províncias, que deixam de ser nomeados pelo poder central.

A mudança faz parte do acordo entre o Governo, da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui fez pelo menos 786 mortos e afetou 2,9 milhões de pessoas nos três países, segundo dados das agências das Nações Unidas.

Moçambique foi o país mais afetado, com 468 mortos e 1.522 feridos já contabilizados pelas autoridades moçambicanas, que dão ainda conta de mais de 127 mil pessoas a viverem em 154 centros de acolhimento, sobretudo na região da Beira, a mais atingida.

As autoridades moçambicanas adiantaram que o ciclone afetou cerca de 800 mil pessoas no país, mas as Nações Unidas estimam que 1,8 milhões precisam de assistência humanitária urgente.

Entre os danos materiais, as autoridades moçambicanas registam mais de 90 mil habitações atingidas, das quais 50.619 ficaram totalmente destruídas, 24.556 parcialmente destruídas e 15.784 inundadas.

Foram ainda danificadas ou destruídas 3.202 salas de aulas, afetando 90.756 alunos, bem como 52 unidades de saúde.

Quase 500 mil hectares de terras ficaram inundadas.

Segundo o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades de Moçambique, o Idai atingiu a Beira no dia 14 de março com chuva forte e rajadas de vento de 180 a 220 quilómetros por hora.

Ler mais

Exclusivos