Idai: Ministro da Defesa diz que apoios serão "à medida das necessidades" de Moçambique

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, afirmou na noite de quarta-feira que a situação de Moçambique "não passa despercebida" a Portugal, referindo que os apoios serão "à medida das necessidades" do povo moçambicano.

"Existe um conjunto de manifestações de solidariedade por parte da sociedade civil, de organizações não-governamentais e muitos ministérios. A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) terá a responsabilidade de fazer a triagem de material e pessoal que seguirá no segundo avião", disse o ministro.

João Gomes Cravinho esteve presente, assim como o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na partida da força de reação imediata portuguesa constituída por 25 elementos dos fuzileiros, dez do exército, três da força aérea e dois da GNR, a bordo de um avião C-130, para apoiar as operações em Moçambique, que partiu hoje do aeródromo de trânsito de Figo Maduro, em Lisboa.

Esta equipa, que leva a bordo dez botes, vai realizar missões de busca e salvamento, apoio às vítimas, distribuição de medicamentos e alimentos.

"Já temos médicos, enfermeiros e medicamentos neste primeiro avião. Depois vai seguir mais. Temos escassez de informação e à medida que esta se torne mais clara, de certeza que vamos responder à altura", garantiu, acrescentando que mais pessoas e material podem seguir por outras vias em caso de necessidade.

Para o dia de hoje está prevista a partida de um outro C-130 para Moçambique.

O ministro da Defesa explicou que existem pedidos de equipamentos e pessoas para ajudar a identificar os cadáveres, explicando que vai seguir para Moçambique equipamento do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses e pessoal habilitado para "fazer as identificações necessárias", apesar de salientar que a primeira urgência é "resgatar pessoas com vida".

João Gomes Cravinho deixou também palavras de elogio aos militares portugueses que partiram, lembrando o trabalho que já tinham efetuado durante as cheias que afetaram o país africano em 2000.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué já provocou mais de 300 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos desde segunda-feira.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou na terça-feira que mais de 200 pessoas morreram e 350 mil "estão em situação de risco", tendo decretado o estado de emergência nacional.

O país cumpre três dias de luto nacional até sexta-feira.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

A Cruz Vermelha Internacional indicou na terça-feira que pelo menos 400.000 pessoas estão desalojadas na Beira, em consequência do ciclone, considerando que se trata da "pior crise humanitária no país".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.