Idai: Golfista Melo Gouveia vai doar dinheiro por cada 'birdie' e 'eagle' efetuados

O golfista português Ricardo Melo Gouveia anunciou hoje, na sua página no Facebook, que vai doar dinheiro para as vítimas atingidas pela passagem do ciclone Idai em Moçambique, Zimbabué e Maláui.

"Como devem saber, o ciclone Idai atingiu países em África, tais como Moçambique, Zimbabué e Maláui, destruindo aldeias completas e matando centenas de pessoas. Na próxima semana, decidi ajudar da forma que posso, pelo que, durante o Open da índia, vou doar 50 euros por cada 'birdie' (uma pancada abaixo do par do buraco) e 75 por cada 'eagle' (duas ou mais pancadas abaixo), o que serve de motivação extra", pode ler-se na comunicação.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou já perto de 400 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos desde segunda-feira.

De acordo com números divulgados hoje, em Genebra, pelo Programa Mundial Alimentar (PAM) das Nações Unidas, a passagem do ciclone por aqueles tr~es países atingiu, pelo menos, 2,8 milhões de pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.