Hóquei em patins: Nacional / FC Porto -- Benfica (Declarações)

Declarações após o jogo FC Porto-Benfica (5-3), da 17.ª jornada do campeonato nacional de hóquei em patins, disputado hoje no Pavilhão Dragão Caixa, no Porto:

Guillem Cabestany (treinador do FC Porto): "Imagino que o jogo tenha sido bonito e muito intenso para os adeptos, mas como treinador podia acrescentar que foi uma partida taticamente cheia de pormenores. Acho que o Benfica fez o melhor jogo de todos os que tem realizado com o seu novo treinador. Obrigou-nos a um grande desgaste físico e a usar variantes táticas para travar o adversário. Fomos para o intervalo com 1-2 sendo melhores, mas na segunda parte ganhámos o jogo. Acima de tudo, uma grande vitória e um grande jogo de hóquei.

A verdade é que falhámos algumas bolas paradas. Por outro lado, nas inferioridades marcámos dois golos e equilibrámos um bocadinho. O Gonçalo Alves está a ter uma época muito boa na conversão de penáltis, mas nos últimos dois jogos tem falhado. Os guarda-redes também estudam as variantes que podemos usar, mas vamos trabalhar mais.

Somos candidatos desde o primeiro dia e agora estamos com um ponto de vantagem sobre o Sporting e a Oliveirense. Estamos bem na classificação, mas, se olharmos para o calendário, estamos cheios de jogos complicados. O nosso foco agora é a deslocação ao Sporting de Tomar e queremos continuar na linha de conseguir o rendimento que a equipa teve hoje na pista".

Alejandro Dominguez (treinador do Benfica): "Há duas leituras, a do jogo e a do campeonato. O título nacional, antes da partida, já estava muito distante para nós. Quanto à outra leitura, acerca do encontro, diria que o rendimento da minha equipa foi muito bom. Interpreto que o FC Porto foi melhor do que nós nas saídas em transição, jogando realmente muito bem no primeiro passe de contra-ataque. De resto, tanto no modelo defensivo como na manobra ofensiva, fiquei muito contente com o rendimento da minha equipa. Mantivemo-nos vivos até ao final".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?