Hóquei em patins: Liga Europeia / Benfica -- Noia (declarações)

Declarações após o jogo Benfica-Noia (4-4), da quarta jornada do grupo D da Liga Europeia de hóquei patins, hoje disputado em Lisboa:

Alejandro Dominguez (Treinador do Benfica): "Foi um jogo difícil, como já sabíamos. Preparámo-nos muito bem e o plano saiu bem até aos dois últimos minutos. É cedo para adiantar as razões para esta reta final, temos de ver novamente o jogo para perceber onde podemos melhorar e onde podíamos ter aproveitado melhor alguma ocasião. Temos de corrigir, temos de crescer, mas em três semanas houve uma evolução muito boa.

É um momento para estarmos tristes, sobretudo porque os adeptos foram impressionantes e não mereciam. Não era a estreia que sonhava em termos de jogos europeus pelo Benfica, mas deixámos a pele em campo e isso garanto que vamos voltar a fazer.

Agora no jogo com o Monza, o nosso rival direto, estaremos num terreno hostil, mas o objetivo é ganhar e encerrar a fase de grupos como primeiros".

Pere Fernandez (Treinador do Noia): "Foi um jogo muito duro e complicado. O Benfica tem muito talento, muitos jogadores de qualidade e estarmos a perder por 3-0 foi complicado. A equipa acreditou até ao final e isso hoje foi recompensado, assim como o trabalho que fazemos no dia a dia, que hoje nos permitiu chegar vivos a este final. Estou duplamente satisfeito: pelo esforço da equipa e pela recompensa pelo trabalho desenvolvido.

O objetivo era ganharmos o grupo, mas agora já não sendo possível queremos passar em segundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.