Homenagem ao antigo bispo do Porto António Ferreira Gomes e à "Carta a Salazar"

A Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto (AJHLP) vai homenagear na sexta-feira o antigo bispo António Ferreira Gomes, forçado a dez anos de exílio depois de enviar uma carta a Oliveira Salazar.

O presidente da AJHLP, Francisco Duarte Mangas, disse, em entrevista telefónica à Lusa, que a homenagem ao antigo bispo do Porto serve para assinalar e relembrar a "Carta a Salazar", que António Ferreira Gomes enviou em 13 de julho de 1958 criticando o regime.

Francisco Duarte Mangas afirmou que a "Carta a Salazar" foi um documento "importantíssimo" contra o regime salazarista e revela também um "setor mais progressivo da Igreja na resistência ao Estado Novo" que foi "fundamental para fazer o 25 de abril", acrescentando que a missiva fez "estremecer a ditadura".

Segundo o presidente da AJHLP, terá havido uma fuga de informação sobre a missiva que o bispo do Porto enviou a Salazar e o texto que era confidencial terá começado a circular, tornando-se público e ficando conhecido como a "Carta a Salazar".

"Temos de ser francos, talvez brutais: o corporativismo português, como outros já passados, foi realmente um meio de espoliar os operários do direito natural de associação, de que o liberalismo, em 91, os privara, e que tinham reconquistado penosa e sangrentamente. E a isto se chama corporativismo; e com isto se quer comprometer e, na verdade, se comprometeu, inútil, mas terrivelmente, a Santa Igreja. Isto é, pois, um problema de Igreja", escreveu na altura o bispo Ferreira Gomes.

Como resposta à carta, Salazar forçou António Ferreira Gomes ao exílio durante uma década. O regresso a Portugal só aconteceu na chamada "primavera marcelista", mantendo-se sempre 'persona pouco grata' e "alvo da censura, que rasurava as suas palavras e o seu nome na imprensa", lê-se num comunicado divulgado hoje pela AJHLP.

Na cerimónia de homenagem ao bispo António Ferreira Gomes vai participar o atual bispo do Porto, Manuel Linda, bem como Anselmo Borges e Arnaldo Pinho, ambos professores e especialistas na obra de António Ferreira Gomes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.