Homenagem ao antigo bispo do Porto António Ferreira Gomes e à "Carta a Salazar"

A Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto (AJHLP) vai homenagear na sexta-feira o antigo bispo António Ferreira Gomes, forçado a dez anos de exílio depois de enviar uma carta a Oliveira Salazar.

O presidente da AJHLP, Francisco Duarte Mangas, disse, em entrevista telefónica à Lusa, que a homenagem ao antigo bispo do Porto serve para assinalar e relembrar a "Carta a Salazar", que António Ferreira Gomes enviou em 13 de julho de 1958 criticando o regime.

Francisco Duarte Mangas afirmou que a "Carta a Salazar" foi um documento "importantíssimo" contra o regime salazarista e revela também um "setor mais progressivo da Igreja na resistência ao Estado Novo" que foi "fundamental para fazer o 25 de abril", acrescentando que a missiva fez "estremecer a ditadura".

Segundo o presidente da AJHLP, terá havido uma fuga de informação sobre a missiva que o bispo do Porto enviou a Salazar e o texto que era confidencial terá começado a circular, tornando-se público e ficando conhecido como a "Carta a Salazar".

"Temos de ser francos, talvez brutais: o corporativismo português, como outros já passados, foi realmente um meio de espoliar os operários do direito natural de associação, de que o liberalismo, em 91, os privara, e que tinham reconquistado penosa e sangrentamente. E a isto se chama corporativismo; e com isto se quer comprometer e, na verdade, se comprometeu, inútil, mas terrivelmente, a Santa Igreja. Isto é, pois, um problema de Igreja", escreveu na altura o bispo Ferreira Gomes.

Como resposta à carta, Salazar forçou António Ferreira Gomes ao exílio durante uma década. O regresso a Portugal só aconteceu na chamada "primavera marcelista", mantendo-se sempre 'persona pouco grata' e "alvo da censura, que rasurava as suas palavras e o seu nome na imprensa", lê-se num comunicado divulgado hoje pela AJHLP.

Na cerimónia de homenagem ao bispo António Ferreira Gomes vai participar o atual bispo do Porto, Manuel Linda, bem como Anselmo Borges e Arnaldo Pinho, ambos professores e especialistas na obra de António Ferreira Gomes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.