Guterres alerta para o perigo do aumento da tensão entre Estados Unidos e Irão

Nova Iorque, 15 mai 2019 (Lusa) -- O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou hoje que o aumento da tensão entre os Estados Unidos da América e o Irão pode destabilizar uma região que é já muito "volátil".

Através do seu porta-voz, António Guterres salientou que está a acompanhar com uma "preocupação crescente" os recentes incidentes, incluindo a alegada sabotagem de quatro petroleiros no Golfo Pérsico, e o "endurecimento da retórica".

"É uma região muito volátil e acreditamos que um aumento da retórica e os incidentes só podem levar a uma maior desestabilização desta zona do mundo", disse o porta-voz, Stéphane Dujarric.

Os Estados Unidos ordenaram hoje a retirada de pessoal não essencial da sua embaixada no Iraque, um país onde o Irão tem uma forte influência e onde Washington diz ter detetado indícios de possíveis agressões iranianas.

Na semana passada, o Governo dos Estados Unidos decidiu enviar o porta-aviões USS "Abraham Lincoln" para o Golfo Pérsico, bem como o navio de assalto anfíbio USS "Arlington", mísseis 'patriot' e bombardeiros.

Por outro lado, o ministro da Defesa iraniano, Amir Hatamí, denunciou que os Estados Unidos lançaram "uma ofensiva contra o povo iraniano" e assegurou que as Forças Armadas estão preparadas para responder.

A tensão aumentou desde que Washington anunciou em abril o fim das isenções concedidas a oito países ou territórios para continuar a comprar petróleo do Irão.

Como resultado, as autoridades iranianas ameaçaram bloquear o estratégico estreito de Ormuz, por onde passa grande parte do petróleo mundial, se as sanções impedirem as suas exportações de petróleo, vitais para a economia do país.

"O secretário-geral pede que todos os atores exerçam o máximo de contenção e evitem qualquer escalada em face das altas tensões", disse o porta-voz de António Guterres.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.