Guia Michelin ibérico de 2020 apresentado em Sevilha em novembro - organização

Lisboa, 03 mai 2019 (Lusa) -- A edição de 2020 do Guia Michelin Espanha e Portugal será apresentada em Sevilha, em 20 de novembro, coincidindo com o 110.º aniversário do guia, anunciou hoje a organização.

Em comunicado, a Michelin afirma que a capital andaluza foi "eleita para acolher a gala de apresentação" do Guia Michelin Espanha e Portugal 2020, um ano depois de ter decorrido em Lisboa, naquela que foi a primeira vez que Portugal recebeu a cerimónia.

"A alta gastronomia é, sem dúvida, um dos setores em que a Andaluzia regista um maior desenvolvimento, apostando com êxito na inovação e na vanguarda, mas sem abdicar das suas raízes", refere a nota da Michelin, que recorda que a Andaluzia (sul de Espanha) recebeu no ano passado 18 milhões de visitantes e Sevilha, em particular, acolhe anualmente três milhões de turistas.

O presidente da Câmara de Sevilha, Juan Espadas, citado no comunicado distribuído à imprensa, destaca: "A virtude da nossa gastronomia é combinar a cozinha mais tradicional com uma renovada e inovadora gastronomia, que adapta a essência da própria cozinha sevilhana aos novos tempos. Queremos valorizar o trabalho dos cozinheiros e empregados de mesa e, em suma, da totalidade do pessoal da hotelaria, pilar fundamental, essencial, para o turismo e para o conjunto da economia e do emprego da cidade".

Sevilha, recorda o autarca, é a "capital por excelência da 'tapa'" (petisco espanhol).

"A gastronomia não é apenas turismo. É, porventura, o melhor escaparate para os produtos agroalimentares andaluzes e, portanto, exerce um enorme poder de arrasto sobre a atividade da indústria agroalimentar sevilhana e andaluza. A cozinha, ao mesmo tempo, propiciou a formação e o empreendimento empresarial gastronómico na cidade, que partiu dos jovens cozinheiros e do conceito dos 'gastrobares', ampliando-se também a oferta de restaurantes de grande qualidade na cidade", salienta.

A diretora comercial da Michelin Travel Partner Espanha Portugal, Mayte Carreño, afirma que "o compromisso das instituições públicas, a qualidade da gastronomia andaluza e a sua aposta na excelência, assim como a importância da Andaluzia e de Sevilha enquanto destinos turísticos de primeira categoria, tornam a capital andaluza no marco ideal para acolher esta grande festa gastronómica".

Na próxima gala a Michelin pretende "estender uma ponte para o passado", realizando o evento no Teatro Lope de Vega e o Casino de la Exposición, "dois edifícios que foram construídos para a Exposição Ibero-Americana de 1929.

O jantar da gala contará com criações de vários 'chefs' de restaurantes da Andaluzia distinguidos com estrelas, coordenados por Ángel Léon, do restaurante Aponiente (Porto de Santa Maria, três estrelas -- classificação máxima).

O evento anual reúne normalmente cerca de 400 convidados, entre autoridades dos governos nacionais, regionais e locais, personalidades da cultura, empresários e mais de cem profissionais da imprensa, além dos 'chefs' com três e duas estrelas, "inúmeros com uma estrela" e cozinheiros de restaurantes com a distinção Bib Gourmand e Prato Michelin.

A gala assinalará também os 110 anos do lançamento do guia ibérico, que teve a sua primeira edição em 1910.

Portugal tem atualmente seis restaurantes com duas estrelas (Alma -- a novidade da edição deste ano-, Belcanto, The Yeatman, Vila Joya, Ocean e Il Gallo d'Oro) e 20 com uma estrela, três das quais conquistadas na edição de 2019 (A Cozinha, Midori e G Pousada).

Em Espanha, há 11 restaurantes com a distinção máxima, 25 com duas e 170 com uma.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.