Guarda recebe candidaturas ao Prémio CEI-IIT Investigação, Inovação e Território

O Centro de Estudos Ibéricos (CEI), com sede na Guarda, tem a decorrer o período de candidaturas à segunda edição do Prémio CEI-IIT - Investigação, Inovação e Território, foi hoje anunciado.

Segundo o CEI, o prémio "visa distinguir trabalhos, projetos de investigação e outras iniciativas que revistam uma dimensão inovadora, contribuam para divulgar estudos, experiências e boas práticas que concorram para reforçar a coesão, a cooperação e a competitividade dos territórios fronteiriços e de baixa densidade".

A fonte refere, em nota hoje divulgada, que o prémio, no valor de 2.500 euros, contempla duas modalidades, sendo uma de apoio a trabalhos e projetos de investigação e outra de apoio a projetos e iniciativas inovadoras de dinamização económica e social.

O Prémio CEI-IIT distingue trabalhos e projetos de investigação nas áreas relacionadas com dinâmicas territoriais e iniciativas de desenvolvimento local; património, recursos do território e riscos naturais; coesão social e governança, capacitação e modernização institucional.

São também apoiados projetos e iniciativas inovadoras de dinamização económica e social, que contribuam para a coesão dos territórios de baixa densidade e que apostem, sobretudo, nos domínios da valorização e uso eficiente dos recursos endógenos; tecnologias ao serviço da qualidade de vida e inovação territorial.

O anúncio do lançamento deste prémio foi feito pelo presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro (PSD), no dia 01 de julho de 2016, na cerimónia de entrega do Prémio Eduardo Lourenço ao escritor chileno Luís Sepúlveda.

Na primeira edição do Prémio CEI-IIT, em 2017, foram contemplados os projetos "Iniciativas de 'ageing in place' - Valorizar e Divulgar", de António Manuel Godinho da Fonseca (na modalidade de investigação), e "Pontes entre agricultura familiar e agricultura biológica", de Cristina Amaro da Costa, (na modalidade projetos e iniciativas inovadoras).

O CEI também atribui, desde 2004, o Prémio Eduardo Lourenço, destinado a premiar personalidades ou instituições "com intervenção relevante no âmbito da cultura, cidadania e cooperação ibéricas".

Com o nome do ensaísta Eduardo Lourenço, mentor e diretor honorífico do CEI, o prémio já distinguiu várias personalidades de relevo de Portugal e de Espanha.

O CEI foi criado a partir de um desafio lançado por Eduardo Lourenço, natural de São Pedro do Rio Seco, no concelho de Almeida, distrito da Guarda, na sessão solene comemorativa do Oitavo Centenário do Foral da Guarda, em 1999.

Foi criado em resultado de uma parceria que envolveu inicialmente a Câmara Municipal da Guarda e as Universidades de Coimbra e de Salamanca (Espanha) e, mais tarde, o Instituto Politécnico local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.