Greve dos enfermeiros na região de Lisboa com 68% de adesão

A greve dos enfermeiros na região de Lisboa e Vale do Tejo está a registar hoje uma adesão de 68%, segundo o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, que convocou a paralisação.

O presidente do Sindicato, José Carlos Martins, indicou aos jornalistas que o hospital com maior adesão foi o de São José, do Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Para o dirigente sindical, a adesão de 68% "traduz a grande onda de insatisfação dos enfermeiros".

Cerca de meia centena de profissionais concentraram-se hoje de manhã numa ação de protesto junto à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, em Lisboa.

"Governo escuta, enfermeiros estão em luta" ou "Enfermeiros de excelência estão sem paciência" são algumas das palavras de ordem gritadas durante o protesto.

Hoje iniciou-se a greve de quatro dias convocada pelo SEP para exigir a "correta contagem dos pontos para todos os profissionais" e protestar contra o encerramento do processo negocial sobre a carreira.

A greve geral decorrerá nos turnos da manhã e da tarde nas instituições de saúde do setor público até sexta-feira e será feita por regiões de saúde.

Hoje, a greve decorre nos hospitais e centros de saúde da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, na quarta-feira na ARS do Centro, no dia seguinte na ARS do Norte e na sexta nas regiões do Algarve, Alentejo e Açores.

"É uma greve de todos os enfermeiros para todos os enfermeiros", cujos "objetivos centrais" se prendem com "duas grandes questões": a correta contabilização dos pontos para efeitos de descongelamento das progressões e o encerramento da negociação da carreira por parte do Ministério da Saúde, explicou José Carlos Martins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.