Governo reforça ensino de português em França e nos Estados Unidos

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, congratulou-se hoje com o reforço da coordenação do ensino da língua portuguesa em França e nos Estados Unidos, medida que considerou "muito relevante" para as comunidades portuguesas radicadas naqueles países.

"É muito relevante, sobretudo para os portugueses que se encontram em França e nos Estados Unidos da América (EUA), e porque conseguimos cumprir aquilo que era um objetivo há muito tempo acalentado, que era o de reforçarmos a coordenação do ensino da língua portuguesa em França e nos EUA", disse à Lusa o governante, em Sardoal (Santarém), à margem da inauguração de um Gabinete de Apoio ao Emigrante (GAE).

Segundo José Luís Carneiro, a resolução "hoje publicada em Diário da República" resulta de uma "determinação de ontem [quarta-feira] do Instituto Camões", para a "colocação de mais um coordenador de ensino em França e de mais um coordenador nos EUA", medida que vem ao encontro do defendido pela tutela.

"Isto significa que aquela mensagem que transmitimos por altura da discussão do Orçamento do Estado, de que tínhamos para o ano letivo 2018-2019 mais turmas, mais alunos e mais professores, agora adicionamos também mais coordenadores do ensino do português no estrangeiro", frisou.

Em França, a nova adjunta, Isabel Cristina dos Santos Sebastião, irá reforçar a coordenação do Ensino do Português no Estrangeiro (EPE) e fica sedeada em Paris, cuja rede apoia cerca de 15.000 alunos que frequentam os 882 cursos de português, nos níveis básico e secundário, em várias modalidades de ensino, disse à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Segundo a mesma fonte, nos Estados Unidos da América o coordenador adjunto, Duarte Manuel Carvalho Pinheiro, terá na Califórnia a área central da sua ação. A Coordenação de EPE nos EUA apoia, em 2018-19 e ao nível dos ensinos básico e secundário, 18.703 alunos, com 383 professores e 719 cursos ministrados em escolas públicas e comunitárias.

A rede das Coordenações do Ensino de Português no Estrangeiro passa a ser constituída, com estas nomeações, por um total de 20 elementos, 11 dos quais coordenadores e nove adjuntos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.