Governo "procura fugir" às questão centrais como a fraude e evasão fiscal - CGTP

O secretário-geral da CGTP considerou hoje, quando questionado sobre a posição do PS à proposta do Bloco de Esquerda de taxar a especulação imobiliária, que "o Governo do PS está a procurar fugir" à discussão de questões centrais.

Em resposta a esta questão dos jornalistas, à margem de uma manifestação que reuniu hoje duas dezenas de trabalhadores em frente à sede da Associação Portuguesa das Empresas de Grande Distribuição (APED), pelo aumento dos salários, Arménio Carlos respondeu que "aquilo que é central é o combate à fraude e à evasão fiscal", sendo que "a posição do Governo do PS, neste momento, é procurar fugir à discussão das questões centrais".

Arménio Carlos abordou como medida fulcral "colocar os gestores das empresas, por exemplo [da grande distribuição] que têm os lucros e que depois têm a sede da empresa na Holanda para pagar menos impostos, a pagar cá".

O líder da CGTP falou ainda da importância de haver um alargamento dos escalões do IRS (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares) para que os trabalhadores "não sejam tão penalizados" e para que "o capital seja mais taxado, por exemplo no englobamento de todos os rendimentos", pois considerou que "não é justo" que os rendimentos do capital "não sejam incluídos na declaração do IRS".

"E isto quer dizer uma coisa. Enquanto na declaração do IRS aqueles que mais ganham pagam apenas 50%, quando declaram com aquilo que tem a ver com as suas ações e rendimentos de capital só pagam 28%. E o que dizemos é que tudo deve estar incluído na declaração de rendimentos e que devem pagar de acordo com aquilo que recebem", salientou o dirigente sindical, lembrando que "isso não está considerado".

"É isso que reclamamos e é isso que tem de ser feito", sublinhou.

A CGTP defende também outras medidas na área fiscal, nomeadamente no que respeita ao IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado). "Não é justo e legítimo e ninguém entende que só em Portugal tenhamos uma eletricidade e um gás com uma taxa de IVA de 23% e que esta é simultaneamente a taxa de IVA aplicada aos produtos de luxo, àquelas que compras como as joias de alto valor", disse Arménio Carlos.

"Isto não é justo. A eletricidade e o gás são fundamentais para a vida quotidiana das pessoas e, por isso, é preciso reduzir é pô-la nos 6%", salientou o dirigente sindical.

Por isso, para Arménio Carlos, "é aqui que [o PS e o Governo] têm de concentrar as atenções e não em discussões como neste momento estão a ser feitas para procurar desviar aquilo que é o essencial, que é taxar o capital porque eles continuam a aumentar os lucros, mas continuam a ser muito bafejados com a política fiscal que, neste momento, está a vigorar em Portugal".

No domingo, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, anunciou que propôs ao Governo a criação de uma taxa para travar a especulação imobiliária, medida que espera ver aprovada no próximo Orçamento do Estado.

Na terça-feira, o líder parlamentar do PS manifestou-se contra a taxa especial proposta pelo Bloco de Esquerda em relação a negócios no setor do imobiliário, contrapondo que a "especulação" se combate com aumento da oferta de habitação acessível.

Em declarações à agência Lusa, Carlos César afirmou que "não há qualquer intenção do Grupo Parlamentar do PS aprovar a proposta do Bloco de Esquerda", afirmou.

Ainda na terça-feira, Catarina Martins considerou que a proposta do partido para travar a especulação imobiliária é "bastante sensata", garantindo que a negociação com o Ministério das Finanças tem "corrido bem".

"É uma proposta que nos parece bastante sensata, porque é encontrar um mecanismo fiscal de taxação, de tributação, de quem faz uma mais-valia muito grande com troca de imobiliário, ou seja, quem compre para vender logo a seguir, não é para reabilitar, não é para habitação, é para fazer negócio muito rapidamente", afirmou Catarina Martins, em declarações aos jornalistas, antes de uma homenagem à fundadora do partido Helena Lopes da Silva, que decorreu em Lisboa.

Do lado do PSD, Rui Rio, afirmou na terça-feira que não rejeita "liminarmente" a taxa especial proposta pelo BE, considerando que "não é assim uma coisa tão disparatada".

"Com isto não estou a dizer que somos favoráveis àquilo que possa vir a ser proposto pelo Bloco de Esquerda, agora não rejeito liminarmente, não é assim uma coisa tão disparatada, porque, efetivamente, uma coisa é comprarmos e mantermos durante 'x' tempo e outra coisa é andarmos a comprar e a vender todos os dias só para gerar uma mais-valia meramente artificial", sublinhou o presidente do PSD.

O CDS, o primeiro partido a reagir, desafiou na segunda-feira o Governo a esclarecer se tem abertura para "promover a taxa Robles" no próximo Orçamento do Estado, medida que os centristas apelidam de "demagógica".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.